Parte 6: Em que trabalho você pode ajudar o maior número de pessoas?

NOTA: essa é uma tradução não oficial do Guia de Carreiras original e pode não corresponder a versão mais atualizada, a qual pode ser acessada em: : https://80000hours.org/career-guide/high-impact-jobs/

Por Benjamin Todd · Última atualização Abril de 2017

Superman era um idiota para combater o crime

Por que o Super-homem estava errado em combater o crime – quadrinho do SMBC.

Muitas pessoas pensam no Super-homem como um herói. Mas ele pode ser o maior exemplo de talento subutilizado em toda a ficção. Foi um erro passar a vida lutando contra o crime um caso de cada vez; se ele tivesse pensado um pouco mais criativamente, ele poderia ter feito um bem muito maior. Que tal entregar vacinas para todos no mundo em super velocidade? Isso teria erradicado a maioria das doenças infecciosas, salvando centenas de milhões de vidas.

Aqui vamos argumentar que muitas pessoas que querem “fazer a diferença” com sua carreira caem na mesma armadilha que o Super-homem. Graduandos na faculdade se imaginam tornando-se médicos ou professores – carreiras que ajudam pessoas diretamente. Mas estas podem não ser as melhores opções para suas habilidades individuais. E assim como o Super-homem na luta contra o crime, esses caminhos só podem ajudar um número limitado de pessoas.

Em contraste, o ganhador do Prêmio Nobel Karl Landsteiner descobriu os grupos sanguíneos, possibilitando centenas de milhões de operações que salvam vidas. Ele nunca teria conseguido realizar um mesmo número de cirurgias sozinho.

Ao mesmo tempo, muitos formandos se sentem insatisfeitos em suas carreiras porque não têm um emprego que ajude diretamente as pessoas. Mas não há necessidade disso. Pode ser gratificante ajudar indiretamente também. Sendo mais abertos e criativos sobre como fazer o bem, mais pessoas podem encontrar uma carreira que utilize suas habilidades únicas e também ajude os outros.

Abaixo apresentamos quatro maneiras de usar sua carreira para ajudar a resolver os problemas sociais que você quer ajudar a resolver (que identificamos no artigo anterior). As quatro maneiras são ganhar para doar, ativismo e pesquisa, bem como trabalhar diretamente no problema. Faremos recomendações concretas sobre como seguir cada abordagem.

Tempo de leitura: 20 minutos.

Em resumo

  • Após escolher um problema, como abordamos no artigo anterior, o próximo passo é descobrir qual a melhor maneira de contribuir para resolvê-lo.
  • Considere abordagens indiretas, como pesquisa, ativismo e ganhar para doar, assim como trabalhar diretamente na área. Você pode encontrar um caminho que ofereça mais influência ou que seja mais adequado para você.
  • Em seguida, concentre-se nas abordagens que se fazem mais necessárias na área que escolheu. Alguns problemas são melhor resolvidos através da mudança de políticas. Outros precisam mais de pesquisa, enquanto outros precisam de financiamento e assim por diante.
  • Finalmente, porque as pessoas mais bem-sucedidas em um campo alcançam muito mais do que a pessoa típica, escolha algo em que você tenha potencial para se destacar. Não faça algo que você não vai gostar apenas para ter mais impacto.
  • Em última análise, procure a melhor opção em uma combinação de (i) quão prioritário o problema é (ii) quão grande será sua contribuição (iii) seu grau de aptidão pessoal.

Abordagem 1: Ganhar para doar

Bill Gates teria feito um bem maior se tivesse trabalhado em uma pequena organização sem fins lucrativos? Nós normalmente não pensamos em engenharia de software como um caminho para fazer o bem, mas Gates salvou a vida de milhões de crianças financiando vacinas. Temos que admitir que isso foi muito bom, mesmo que você não seja o maior fã da Microsoft.

Bill Gates teve um enorme impacto humanitário através da filantropia, que nós pensamos mais do que compensando a tela azul da morte.
Bill Gates teve um enorme impacto humanitário através da filantropia, salvando as vidas de mais crianças do que a população da Escócia. Isso compensa por todas as vezes que o Windows travou com a “tela azul da morte”.

Nós frequentemente encontramos pessoas que estão interessadas em um trabalho que proporcione altos rendimentos, tal como engenharia de software, mas se preocupam que com isso não farão a diferença. Parte da razão disso é que normalmente não pensamos em ganhar mais dinheiro como um caminho possível para pessoas que querem fazer o bem. No entanto, existem muitas organizações eficazes que não têm dificuldade em encontrar funcionários entusiasmados, mas não têm recursos para contratá-los. As pessoas que tem aptidão para empregos bem remunerados podem doar para essas organizações e fazer, indiretamente, uma grande contribuição.

Ganhar para doar não é apenas para pessoas que querem trabalhar em setores que pagam altos salários Qualquer um que pretenda ganhar mais para doar mais está neste caminho.

Considere a história de Julia e Jeff, um casal de Boston com dois filhos. Julia saiu de um trabalho administrativo em uma organização sem fins lucrativos para um trabalho social em uma prisão. Jeff costumava trabalhar como técnico de pesquisa. Ele decidiu treinar para se tornar engenheiro de software e acabou conseguindo um emprego no Google. Com isso, esse casal passou a ganhar mais que o dobro que ganhavam anteriormente, e então passaram a doar cerca de metade de sua renda para caridade, todos os anos.

Jeff e Julia tentaram encontrar a melhor maneira de fazer a diferença
Quartz: Jeff e Julia tentaram encontrar a melhor maneira de fazer a diferença

Ao fazer isso, eles provavelmente tiveram mais impacto do que teriam trabalhando diretamente em uma organização sem fins lucrativos. Compare o impacto de Jeff com o de um Diretor de uma organização sem fins lucrativos:

  Engenheiro de software do Google Diretor ONG
Salário US$ 250.000 US$ 65.000
Doações US$ 125.000 US$ 0
Dinheiro para viver US$ 125.000 US$ 65.000
Impacto direto
do trabalho
Positivo Muito positivo

Jeff aufere uma renda cerca de duas vezes maior do que ganharia no setor sem fins lucrativos e ainda pode doar o suficiente para financiar os salários de cerca de dois Diretores de ONGs 1. Além disso, ele também pode ter algum impacto positivo direto, já que o Google desenvolveu inovações valiosas, como o Google Maps e o Gmail; e ele acha que está mais feliz em seu trabalho porque gosta da área de engenharia.

Além disso, Jeff e Julia podem mover suas doações para as organizações que estiverem mais necessitadas de fundos naquele determinado momento, conforme suas análises, enquanto é mais difícil mudar de trabalho. Essa flexibilidade é particularmente valiosa porque não sabemos quais problemas serão mais prementes no futuro.

Essa oportunidade existe porque (como vimos anteriormente) vivemos em um mundo com enorme desigualdade de renda – é possível ganhar mais do que um professor ou trabalhador de uma ONG e muitas vezes mais do que as pessoas mais pobres do mundo. Ao mesmo tempo, dificilmente alguém doa mais do que alguns por cento de sua renda2, então se você estiver disposto a doar mais, você poderá ter um impacto incrível, independente do trabalho de sua escolha.

Anteriormente, vimos que um graduado em um país desenvolvido pode ter um grande impacto, doando 10% para uma organização eficaz. Mesmo no Brasil já seria possível ter um impacto significativo: um trabalhador com ensino superior completo tem um rendimento médio de 5.000 reais mensais. Isso representa 65mil reais por ano. Se essa pessoa se comprometer a doar 10% desse valor, ela poderá salvar uma vida a cada dois anos. Ao longo de 40 anos de carreira isso seria o mesmo que salvar 20 vidas, se doar à Against Malaria Foundation, por exemplo.

Se você pudesse ganhar 10% a mais e doasse toda essa “renda extra”, você teria o dobro do impacto. E se você acha que há organizações melhores para financiar do que a Against Malaria Foundation – talvez trabalhando em outros problemas, pesquisa ou ativismo – seu impacto pode ser ainda maior.

Desde que introduzimos o conceito de “ganhar para doar” em 2011, centenas de pessoas o adotaram e tem se mantido comprometidas com esse autocompromisso. Muitos optam por doar cerca de 30% de sua renda e alguns mais de 50%. Coletivamente, eles doarão milhões de dólares para instituições de caridade de alto impacto nos próximos anos. Ao fazê-lo, eles estarão financiando o trabalho de outras pessoas que são apaixonadas pela mudança social e que querem fazê-lo diretamente, mas se não fossem por essas doações não teriam os recursos necessários.

Uma das pessoas que aconselhamos em 2011, Matt, doou mais de US$ 1 milhão, ainda com 20 e poucos anos, e foi destaque no New York Times. Ele também acha seu trabalho mais agradável do que se estivesse no setor sem fins lucrativos.

Outro desistiu de seu trabalho como engenheiro de software e fundou uma startup. Ele prometeu doar todos os seus rendimentos acima do salário mínimo para caridade. Se a avaliação atual de sua startup estiver correta, ele doará milhões de dólares na próxima década. Sua startup tem por missão reduzir a papelada burocrática que os médicos precisam lidar e, por isso, também tem um impacto direto positivo no mundo.

Ben foto de retrato
“Sem a pesquisa da 80.000 Hours, eu não teria iniciado esta empresa; e sem a comunidade deles, eu não teria chegado tão longe”. Leia a História de Ben

Você deveria ganhar para doar?

Ganhar para doar foi a nossa ideia mais memorável e controversa, atraindo a cobertura da grande mídia na BBC, Washington Post, Daily Mail e muitas outras organizações.

Por esse motivo, muitas pessoas acham que é nossa principal recomendação. Mas não é: depende da sua situação.

Nós achamos que ganhar para doar é uma opção que vale a pena considerar quando:

  • Você tem aptidão para um trabalho de alta renda. Não se torne um consultor se você odiar esse trabalho – você estará mais propenso a sofrer de esgotamento e colocar sua carreira em uma pior posição no longo prazo, o que fará com que você não ganhe muito de qualquer maneira. Mesmo que você se importe apenas com o seu impacto, é importante ser bom no seu trabalho .
  • Você deseja adquirir habilidades em um trabalho de renda mais alta e essas habilidades poderão ser usadas em futuros trabalhos mais diretamente relacionados ao problema que você deseja impactar. Ganhar para doar poderia ajudá-lo a permanecer comprometido em sua busca por impacto social nesse meio tempo. (No próximo artigo, explicaremos porque é importante ganhar “capital de carreira”).
  • Você tem muita incerteza sobre quais problemas são mais prementes . Ganhar para doar fornece maior flexibilidade, porque você pode facilmente redirecionar suas doações ou até mesmo economizar o dinheiro e doar mais tarde.
  • Você quer contribuir para uma área que é mais limitada pela falta de fundos do que pela falta de talentos .

De fato, se você está especialmente focado nos problemas globais que achamos mais prementes , especialmente dentro da comunidade do Altruísmo Eficaz, então não achamos que ganhar para doar deva ser sua primeira escolha . Isso ocorre porque essas áreas parecem ter mais limitações de talento do que de financiamento . Em vez disso, recomendamos tentar primeiro contribuir diretamente, em organizações sem fins lucrativos, governamentais ou de pesquisa.

Objeções comuns a ganhar para doar

As pessoas realmente mantêm este hábito? Elas não vão acabar sendo influenciadas por seus pares a gastar o dinheiro em luxos ao invés de doar? Estávamos preocupados que isto aconteceria quando introduzimos a ideia pela primeira vez, mas não foi o que ocorreu. Centenas de pessoas estão buscando ganhar para doar e, embora algumas tenham saído porque pensaram que poderiam fazer um bem maior em outro lugar, ninguém que conhecemos simplesmente desistiu de seus planos de doar. Em parte, isso ocorre porque muitas pessoas que decidem ganhar para doar fizeram votos públicos de suas intenções de doar, frequentemente por meio da Giving What We Can . A existência de uma comunidade que ganha para doar também torna muito mais fácil continuar com a prática.

Os empregos de alta renda não causam males? Não recomendamos aceitar um emprego que cause muitos danos ao mundo para doar o dinheiro. Na prática, a maioria das pessoas que ganham para doar trabalham em áreas de tecnologia, gestão de ativos, medicina ou consultoria, e nós pensamos que essas posições fazem uma pequena quantidade de bem ao mundo ou ao menos são neutras. Por exemplo, muitos (mas não todos) operadores financeiros lucram à custa de outros investidores, portanto estão movimentando dinheiro, principalmente de pessoas ricas para outras pessoas ricas . Claro, existem algumas pessoas que causam danos nessas indústrias, mas isso é verdade em qualquer setor.

De modo geral, existem muitas maneiras de ganhar mais dinheiro, e duvidamos que todas elas sejam prejudiciais. E quanto a medicina, engenharia ou aulas particulares? Além do que, há também a opção de melhorar aquele setor, por de dentro. Se você é uma pessoa socialmente motivada e substitui alguém que não se importa com o dano que está causando, isso pode ser melhor para o mundo.

E se eu não me sentisse motivado tendo um trabalho de alta renda? Nesse caso, não tenha um. Só recomendamos ganhar para doar se você tiver aptidão para isso. Apenas tenha em mente, como dissemos anteriormente, que você pode se interessar por mais trabalhos do que imagina.

Eu não poderia ter mais impacto fazendo outra coisa? Há uma boa chance que você poderia, como nós cobriremos mais adiante neste artigo.

(Para uma análise mais profunda quanto a ética de ganhar para doar, veja este artigo que publicamos).

Qual é a melhor maneira de ganhar para doar?

Para saber mais sobre como ganhar para doar – incluindo recomendações sobre quais tarefas executar – veja este artigo.

Quais instituições de caridade são mais eficazes?

Como vimos anteriormente, muitas intervenções sociais não têm impacto comprovado, e muitas ONGs são caixas pretas mal geridas. Então, se você der para a organização errada, você não conseguirá produzir muito.

Por outro lado, desde que haja pelo menos uma organização altamente eficaz para financiar, então ganhar para doar pode ter alto impacto. Você nem precisa se limitar a financiar ONGs – você pode financiar pesquisa, ativismo político ou mesmo organizações com fins lucrativos que fazem o bem em vez disso.

Já falamos anteriormente sobre as organizações recomendadas pela GiveWell, tal como a Against Malaria Foundation, exemplo de uma organização eficaz. Saiba mais sobre quais instituições de caridade são mais eficazes para doar .

Abordagem 2: Ativismo

Uma alternativa interessante ao ganhar para doar é o ativismo – a promoção de soluções para problemas urgentes. O ativismo também pode ser feito em uma ampla gama de carreiras, e pode ter um impacto ainda maior do que ganhar para doar.

Considere as seguintes opções:

  1. Você mesmo ganhar para doar.
  2. Você ganhar para doar e ainda persuadir um amigo a ganhar para doar também.

O segundo caminho faz mais bem – na verdade, provavelmente cerca do dobro – e isso ilustra o poder do ativismo.

Muitas das pessoas de maior impacto na história têm sido defensoras de um tipo ou de outro. Tomemos Rosa Parks, que se recusou a ceder o assento a um homem branco em um ônibus, provocando protestos que então levaram a uma decisão da Suprema Corte Americana de que ônibus segregados eram inconstitucionais. Parks era costureira em seu trabalho diário, mas nas horas vagas ela estava muito envolvida com o movimento pelos direitos civis. Depois que foi presa, ela e a NAACP trabalharam duro e estrategicamente, ficando acordados a noite toda criando milhares de panfletos para lançar um boicote total de ônibus em uma cidade de 40.000 afro-americanos, enquanto simultaneamente davam início a ações legais. Isso permitiu um grande progresso para os direitos civis.

Há também muitos exemplos de pessoas que você nunca ouviu falar, como Viktor Zhdanov, que foi uma das pessoas de maior impacto do século XX.

Viktor Jdanov
Viktor Zhdanov pressionou a OMS a fazer uma campanha de erradicação da varíola, antecipando a erradicação em muitos anos.

No século XX, a varíola matou cerca de 400 milhões de pessoas, muito mais do que o número de mortos em todas as guerras e fomes provocadas por motivos políticos. O crédito pela eliminação geralmente vai para D. A. Henderson, encarregado do programa de eliminação da Organização Mundial de Saúde. No entanto, o programa já existia antes de ele ser trazido a bordo. Na verdade, ele inicialmente recusou o cargo. O programa provavelmente teria tido sucesso mesmo se Henderson não tivesse aceitado a posição.

Zhdanov, sozinho, foi o primeiro a fazer lobby para que a OMS iniciasse a campanha de eliminação. Sem o seu envolvimento, isso não teria acontecido até muito mais tarde, e possivelmente nem teria ocorrido.

Então, por que o ativismo foi tão eficaz no passado?

Primeiro, as ideias podem se disseminar rapidamente, de modo que o ativismo é uma maneira de um pequeno grupo de pessoas ter um grande efeito sobre um problema. Uma pequena equipe pode lançar um movimento social, fazer lobby no governo, iniciar uma campanha que influencie a opinião pública ou apenas persuadir seus amigos a assumir uma causa. Em cada caso, eles podem ter um impacto duradouro sobre o problema que vai muito além do que eles poderiam alcançar diretamente.

Em segundo lugar, o ativismo é negligenciado. Isso ocorre porque geralmente não há incentivos econômicos para disseminar idéias socialmente importantes. Em vez disso, o ativismo é feito principalmente por pessoas dispostas a dedicar suas carreiras para tornar o mundo um lugar melhor.

Ativismo também é negligenciado porque é desconfortável enfrentar o status quo, e muitas vezes é difícil ver o efeito de seus esforços, o que deixa a pessoa menos motivada do que fazer o bem diretamente. Ademais, Zhdanov foi mais importante para o esforço de eliminação da varíola do que Henderson, mas Henderson recebeu o crédito. Por estas razões, o ativismo pode ser um caminho de alto impacto para aqueles que estão dispostos a dar um passo a frente.

Na verdade, há motivos para pensar que o ativismo é tipicamente melhor do que ganhar para doar. Uma razão para isso é que todo mundo quer mais dinheiro, então há muita competição, o que coloca um limite no quanto você pode ganhar facilmente (e consequentemente doar). Há muito menos competição para espalhar boas ideias, pelas razões que acabamos de discutir. Portanto, esperamos que seja possível que muitas pessoas influenciem mais dinheiro do que poderiam doar por si próprias.

Ativismo é também uma área onde os esforços mais bem sucedidos contribuem proporcionalmente muito mais do que os esforços típicos nesta área. Os mais bem sucedidos influenciam milhões de pessoas enquanto outros podem ter dificuldades em persuadir mais do que alguns amigos. Isso significa que se você tem aptidão para fazer ativismo, esta muitas vezes é a melhor coisa que você poderia fazer, e é provável que você alcance muito mais fazendo isso sozinho do que poderia financiando alguém para se engajar em ativismo em seu nome.

Rosa Parks.
Muitas das pessoas de maior impacto na história eram ativistas de algum tipo, e você pode se tornar um ativista estando em qualquer trabalho. Rosa Parks trabalhava como governanta e costureira antes de se tornar o ícone dos direitos civis.

Se você estiver interessado em seguir carreira em ativismo – incluindo recomendações de tipos específicos de emprego – veja nosso artigo completo

Abordagem 3: Pesquisa

As pessoas geralmente criticam acadêmicos como sendo intelectuais em torres de marfim cujos trabalhos não tem impacto. E nós concordamos que há muitos problemas com a academia, que fazem com que os pesquisadores alcançem menos do que poderiam. No entanto, ainda consideramos o trabalho de pesquisador frequentemente tem alto impacto, tanto dentro quanto fora da academia.

Junto com os ativistas, muitas das pessoas de maior impacto na história têm sido pesquisadores. Considere Alan Turing. Ele foi um matemático que desenvolveu máquinas de decifrar códigos que permitiram que os Aliados fossem muito mais eficazes contra os U-boats nazistas na Segunda Guerra Mundial. Alguns historiadores estimam que isso possibilitou que o dia D ocorresse um ano antes do que teria de outra forma. 3 Como a Segunda Guerra Mundial resultou em 10 milhões de mortes por ano, Turing pode ter salvo cerca de 10 milhões de vidas.

E ele também inventou o computador.

Alan Turing 16 anos
Turing foi fundamental no desenvolvimento do computador. Lamentavelmente ele foi processado por ser homossexual, o que possivelmente contribuiu para seu suicídio em 1954.

O exemplo de Turing mostra que a pesquisa pode ser ao mesmo tempo teórica e de alto impacto. Muito do seu trabalho dizia respeito à matemática abstrata da computação, que inicialmente não tinha relevância prática, mas que se tornou importante ao longo do tempo.

Do lado da pesquisa aplicada, vimos muitos exemplos de pesquisas médicas de alto impacto no início deste guia.

É claro que nem todo mundo será o próximo Alan Turing, e nem toda descoberta é utilizada. No entanto, acreditamos que pesquisa, em média, é eficaz e frequentemente melhor do que trabalhar diretamente em um problema. Por quê?

Primeiramente, quando novas ideias são descobertas, elas podem ser difundidas de maneira incrivelmente barata, de modo que uma única carreira pode mudar todo um campo. Além disso, novas ideias se acumulam com o tempo, de modo que uma pesquisa contribui para uma fração significativa do progresso de longo prazo.

No entanto, apenas uma fração relativamente pequena de pessoas está envolvida em pesquisas. Acadêmicos constituem 0,1% da população mundial4 e essa proporção foi muito menor ao longo da história. Se um pequeno número de pessoas é responsável por uma grande parte do progresso, então, em média, os esforços de cada pessoa são significativos.

Em segundo lugar, isso é exatamente o que esperaríamos a partir da teoria econômica. A maioria dos pesquisadores não ficam ricos, mesmo que suas descobertas sejam extremamente valiosas. Turing não lucrou com a descoberta do computador, sendo que hoje essa é uma indústria multibilionária. Isso ocorre porque os benefícios da pesquisa costumam se dar muito tempo no futuro e geralmente não podem ser protegidos por patentes. Isso significa que há pouco incentivo comercial para fazer pesquisas em comparação à sua importância. Então, se você se preocupa mais com impacto social do que lucro, essa é uma boa oportunidade.

Na verdade, quanto mais fundamental a pesquisa, mais difícil é de comercializá-la. Sendo assim, sob condições iguais, entendemos que a pesquisa básica é mais negligenciada do que a pesquisa aplicada e, portanto, (sob condições iguais) tem maior impacto. Por outro lado, questões aplicadas podem ser mais urgentes e inovações aplicadas como o telescópio podem nos permitir fazer avanços fundamentais mais rapidamente. Por isso é difícil dizer se a pesquisa básica ou aplicada é a mais premente.

Assim como ativismo, trabalhar com pesquisa é especialmente promissor se você tiver aptidão para tanto, dado que os melhores pesquisadores alcançam muito mais do que a mediana. A maioria dos artigos tem apenas uma citação, enquanto 0,1% dos artigos têm mais de 1.000 citações. E quando fizemos um estudo de caso sobre pesquisa biomédica, comentários como esse foram típicos:

Uma pessoa boa nisso pode fazer o trabalho de cinco e eu não estou exagerando.

Se você é um dos 10% melhores pesquisadores em uma área de problemas prioritários, é provável que esse seja o caminho de maior impacto para você.

Lembre-se do Dr. Nalin, que ajudou a inventar a terapia de reidratação oral?
Como vimos anteriormente, o Dr. Nalin ajudou a salvar milhões de vidas com uma inovação simples: dar aos pacientes com diarreia água misturada com sal e açúcar.

Quais áreas de pesquisa são de alto impacto?

Veja o nosso guia completo para fazer pesquisas de alto impacto, dentro e fora da academia.

Exemplo: Hauke estava insatisfeito com seu potencial de impacto na academia durante um doutorado em neurociência. Ele se candidatou a quase todas as nossas carreiras recomendadas e foi-lhe oferecida uma posição na Giving What We Can. Ele agora lidera os esforços para pesquisar a relação custo-eficácia de diferentes organizações sem fins lucrativos.

Foto de retrato de Hauke

“Sério, continue lendo este guia de carreira. É muito bom”.
Leia a história completa de Hauke.

Não se esqueça de cargos de apoio

Tornar-se um administrador universitário não parece uma carreira de alto impacto, mas é exatamente por isso que ela é. Pesquisas exigem administradores, gerentes, financiadores e comunicadores para que avancem. Muitos desses papéis exigem pessoas muito capacitadas que entendem de pesquisa Contudo, por não serem glamourosas ou altamente remuneradas, pode ser difícil atrair as pessoas certas. Por esta razão, se você tem aptidão para esse papel então esse pode ser um caminho promissor. O que importa em última análise não é quem faz a pesquisa, mas que ela seja feita.

Um herói nosso é Seán Ó hÉigeartaigh. Ele estudou para um doutorado em genômica comparativa, mas acabou optando pelo gerenciamento de projetos acadêmicos. Tornou-se gerente no Instituto do Futuro da Humanidade (Future of Humanity Institute), que realiza pesquisas negligenciadas sobre riscos catastróficos emergentes, tal como o risco de pandemias geradas em laboratórios. Ele fez um trabalho heroico nos bastidores para manter as coisas funcionando enquanto o financiamento crescia rapidamente. Quando houve a oportunidade de iniciar um novo grupo em Cambridge, ele usou o que aprendeu para liderar os esforços lá também – durante um tempo, gerenciando os dois grupos. Este campo teria avançado muito mais lentamente sem sua administração. Saiba mais nesta entrevista com Sean .

Se você estiver interessado nessas posições, o melhor caminho é procurar um doutorado, escolher um campo de interesse e depois se inscrever em grupos de pesquisa.

Abordagem 4: Trabalho direto

Se você quiser ajudar diretamente, como você pode fazer isso da forma mais eficaz?

O problema com muitas posições de trabalho diretas é que elas geralmente não são negligenciadas. Por exemplo, no início do guia, vimos que os médicos nos países ricos geralmente não têm um grande impacto, porque já existem muitos médicos nesses países, de modo que os procedimentos mais importantes e impactantes serão realizados de qualquer maneira. Também vimos que as áreas negligenciadas são de maior impacto devido a lei dos retornos decrescentes.

Outro problema é que muitos querem trabalhar em organizações que são mais limitadas pelo financiamento do que pelo número de pessoas entusiasmadas em trabalhar lá. Isso significa que, se você não aceitar o emprego, será fácil encontrar alguém que seja quase tão bom quanto você. Pense em um advogado que trabalha como voluntário na distribuição de “sopão”. Pode ser motivador para ele, mas dificilmente é a coisa mais eficaz que ele poderia estar fazendo. Se doasse uma ou duas horas de seu salário ele poderia custear várias pessoas melhor treinadas para fazer o trabalho. Ou ele poderia fazer trabalho legal pro bono, ajudando aos outros por meio de suas valiosas habilidades.

Outras posições de trabalho direto limitam sua influência potencial. Pense no Super-Homem lutando contra criminosos, um a um, ou o Dr. Landsteiner tentando trabalhar muito para realizar mais cirurgias, em vez de descobrir grupos sanguíneos.

No entanto, existem muitas outras situações em que trabalhar diretamente é a coisa mais eficaz a fazer. Existem muitas grandes equipes trabalhando em soluções inovadoras e negligenciadas para problemas urgentes. Tais organizações estão tendo dificuldade em contratar (eles estão com uma “limitação de talentos” ), então, se você tem aptidão para esse trabalho, essa pode ser a melhor opção. Saiba mais sobre como trabalhar em organizações sem fins lucrativos eficazes.

Cozinha De Sopa
Não seja um advogado de renome trabalhando em um sopão – seria muito mais eficaz doar algumas horas de salário.

Empreendedorismo – tanto sem fins lucrativos como com fins lucrativos

Se uma organização eficaz não existe dentro de uma área, então você poderia ajudar a fundar uma. Aliás, esta foi a ideia por trás da criação do 80.000 horas: sabíamos que ninguém mais estava conduzindo, sistematicamente, esse tipo de pesquisa.

Aqui está outra área onde isso pode ser verdade: Na última década, várias fundações muito grandes foram criadas para financiar ONGs que realizam intervenções de saúde baseadas em evidências, tal como a Fundação Gates, o CIFF e a Open Philanthropy Project (que é parceiro da GiveWell). No entanto, essas fundações não tem projetos suficientes que atendam aos seus critérios. Se você conseguir acumular o conhecimento necessário para implementar intervenções eficientes na área da saúde de forma eficiente, poderia levantar dezenas de milhões em financiamento dessas fundações e ter muito mais impacto do que ganhar para doar.

É isso que Joey e Kate estão fazendo. Eles deixaram a faculdade cedo para se concentrar na captação de recursos para organizações como a Against Malaria Foundation (AMF). No entanto, eles perceberam que teriam um impacto ainda maior ao tentar criar algo novo. Eles passaram seis meses revisando uma lista de intervenções de saúde e descobriram uma que parecia eficaz, simples de implementar e que não tinha nenhuma organização focada nisso.

Eles implementaram um sistema de mensagens de texto para vacinação na Índia que em quatro estudos aleatórios controlados – EACs (randomized controlled trials – RCTs) mostraram aumentar significativamente a probabilidade das pessoas serem vacinadas. Eles agora estão criando uma organização e já arrecadaram US$ 200.000 da Open Philanthropy Project.

No entanto, você não precisa ser o líder de uma organização. Tal como nos papeis administrativos de pesquisa, papéis relativos a operação são vitais e difíceis mas, como tais posições não são glamourosas, muitas vezes é difícil atrair as pessoas certas.

Finalmente, o trabalho direto pode ser com ou sem fins lucrativos. Por exemplo, o Send Wave é um aplicativo para celular que permite a trabalhadores imigrantes vindos da África transferirem dinheiro para suas famílias ao custo de 3%, ao invés das taxas de 10% praticadas pela Western Union. Assim, para cada US$ 1 de receita que eles tem, eles tornam algumas das pessoas mais pobres do mundo vários dólares mais ricas. Eles já tiveram um impacto equivalente a doar milhões de dólares e estão crescendo rapidamente. O tamanho total deste mercado é de centenas de bilhões de dólares, várias vezes maior que tudo que é gasto com doações para a África. Se eles conseguirem acelerar um pouco a implantação de formas mais baratas de transferência de dinheiro, isso terá um grande impacto.

Lincoln Quirk está fazendo a diferença através do empreendedorismo lucrativo
Lincoln fundou uma empresa com fins lucrativos cujo produto beneficia as pessoas mais pobres do mundo.

Se você estiver fornecendo um serviço diretamente aos beneficiários, é possível que um serviço com fins lucrativos seja mais eficaz, pois você poderá obter feedbacks melhores sobre a utilidade de seu serviço e ainda pode ter ganhos de escala mais rapidamente. (Nós reunimos mais conselhos sobre como fazer o bem em organizações com fins lucrativos em nossa análise de empreendedorismo de tecnologia). As organizações sem fins lucrativos são as melhores quando estão fazendo algo que é muito difícil de ser comercializado, tal como pesquisa, defesa de direitos, ajuda aos extremamente pobres e a provisão de bens públicos tal como um meio ambiente limpo ou serviços que levam muito tempo para ter algum retorno, tal como educação.

No entanto, às vezes é possível usar organizações com fins lucrativos para fazer pesquisas socialmente importantes e fornecer bens públicos. Tesla, a empresa de Elon Musk, vende carros elétricos extravagantes para pessoas ricas, o que não tem um impacto muito alto. Mas a verdadeira missão da empresa é desenvolver baterias mais baratas que tornem muito mais fácil a transição para uma economia verde e, eventualmente, eletrificar todo tipo de transporte. Musk também criou a SpaceX, que ganha dinheiro vendendo foguetes baratos para a NASA, mas a verdadeira missão da empresa é acelerar a colonização do espaço e assim tornar a humanidade mais propensa a sobreviver a um desastre na Terra.

Como você pode encontrar uma boa posição de trabalho direto?

Se você quiser encontrar um emprego com impacto positivo direto:

  1. Decida quais problemas você acha que são mais urgentes.
  2. Identifique as melhores organizações dentro dessas áreas, especialmente aquelas que são especialmente limitadas por talento ao invés de financiamento. Você pode examinar nossas revisões com perfis de problemas para encontrar organizações recomendadas e, em seguida, ver essa lista mais longa .
  3. Encontre posições onde você se adaptará melhor (que estejam de acordo com suas aptidões).

Aqui estão alguns trabalhos que recomendamos especialmente:

E se você quiser fundar uma organização?

Um erro que as pessoas cometem é tentar descobrir quais organizações são necessárias sentados em casa na sua poltrona ou a partir de um problema que tenham encontrado em suas próprias vidas. Em vez disso, aprenda sobre problemas sociais grandes e negligenciados. Consiga um emprego na área, faça mais estudos e fale com muitas pessoas que trabalham com o problema, para descobrir o que o mundo realmente precisa. Você precisa se aproximar das fronteiras de conhecimento de uma área antes de encontrar as ideias que os outros ainda não tiveram e obter as conexões que você precisará para a execução de seu projeto.

Qual é a abordagem certa para você?

Vimos agora que, pensando de forma ampla – considerando caminhos tal como ganhar para doar, defender causas via ativismo, pesquisar e trabalhar diretamente em um determinado problema – você poderá encontrar muitas outras maneiras de dar uma grande contribuição para questões urgentes.

Esperamos que isso tenha lhe dado algumas ideias novas quanto a empregos que você poderia obter. Agora, como você reduz essas opções para encontrar a melhor?

A primeira coisa a notar é que essas quatro abordagens não são exclusivas e você pode fazer mais de uma ao mesmo tempo. Por exemplo, um professor ajuda seus alunos (impacto direto), mas também pode desenvolver novas técnicas educacionais (pesquisa) ou conversas com seus alunos sobre problemas prementes (ativismo). Conhecemos um professor que dava aulas particulares para doar mais (ganhar para doar). Como vimos, muitas vezes o seu impacto é mais sobre como você usa sua posição do que a própria posição. Isso significa que você desejará procurar posições que ofereçam o melhor equilíbrio entre as diversas maneiras de contribuir, seja diretamente, por meio de ativismo e por meio de doações. Em nossas revisões de carreiras, avaliamos cada caminho sob a perspectiva destas três maneiras de contribuir.

O segundo ponto é que não existe uma única abordagem melhor para cada problema. Em vez disso, concentre-se nas abordagens mais necessárias para os problemas que você deseja resolver. Por exemplo, o câncer de mama não precisa de mais ativismo social para promover a conscientização, porque quase todo mundo está ciente de que o câncer de mama é um problema. Em vez disso, ele provavelmente precisa de pesquisadores mais habilidosos para desenvolver melhores tratamentos. Se você se concentrar apenas em aumentar a conscientização, seus esforços não irão tão longe. Destacamos quais habilidades são mais necessárias dentro de cada área em nossos perfis de problemas.

Terceiro, faça algo em que você tenha a chance de se destacar. Ao longo deste artigo, há um princípio geral vital para ter em conta: as pessoas mais bem sucedidas num campo têm muito mais impacto do que uma carreira típica. Por exemplo, um estudo de referência de um expert encontrou: 5

Uma pequena porcentagem dos trabalhadores em qualquer campo é responsável pela maior parte do trabalho. Geralmente, os 10% dos trabalhadores mais produtivos podem ser creditados com cerca de 50% de todas as contribuições, enquanto os 50% trabalhadores menos produtivos podem reivindicar apenas 15% do trabalho total. O colaborador mais produtivo é geralmente 100 vezes mais prolífico que o menos.

Tal como vimos ao escolher um problema, a abordagem mais eficaz para você será algo de que você gosta, que o motiva e se ajusta bem a suas habilidades. Às vezes, encontramos pessoas tentadas a fazer um trabalho que odiariam para terem mais impacto. Isso é provavelmente uma má ideia, já que eles simplesmente vão ficar esgotados. Seu exemplo também poderá desencorajar outros de fazerem o bem.

Um excelente trabalhador numa ONG provavelmente fará mais bem do que um engenheiro medíocre que está ganhando para doar, e o inverso também é verdadeiro.

Por outro lado, como vimos, as pessoas freqüentemente subestimam a facilidade com que podem se interessar por novos empregos.

Nós explicamos mais sobre a importância do ajuste pessoal e como descobrir qual carreira é melhor para você em um outro artigo.

Se você já tem experiência em uma área, isso também deve ser considerado. Temos mais conselhos específicos detalhados por área aqui, bem como nas revisões de carreira e nos perfis de problemas.

Conclusão: em que emprego você pode ajudar mais pessoas?

Existem muitos outros caminhos para ajudar os outros em sua carreira do que normalmente falamos. Bill Gates começou como engenheiro de software e salvou milhões de vidas por meio de doações do seu dinheiro acumulado. Rosa Parks era uma costureira e ajudou a desencadear o movimento dos direitos civis na América pelo seu ativismo. Alan Turing era um matemático e ajudou a acabar com a Segunda Guerra Mundial por meio de sua pesquisa, além de inventar o computador. Elon Musk é um homem de negócios, mas está ajudando a revolucionar as indústrias de carros e do espaço e assim reduzir os riscos para o futuro da humanidade.

A maioria das pessoas não é Bill Gates, mas mesmo com um salário de nível universitário, qualquer pessoa pode ter um impacto surpreendente, ganhando para doar e literalmente salvando dezenas ou centenas de vidas. E muitas vezes é possível fazer ainda mais por meio de ativismo, pesquisa ou trabalho direto.

Além disso, se você se concentrar nas abordagens mais adequadas aos problemas que deseja resolver e onde tiver o melhor ajuste pessoal (aptidão), poderá fazer ainda mais bem. E você pode fazer isso tendo uma carreira mais satisfatória também.

Dessa forma, mesmo que você não queira ser um médico ou um professor, é possível fazer muito mais bem com sua carreira do que normalmente se pensa.

Aplique isso a sua própria carreira

Antes de prosseguirmos, faça uma pequena lista inicial de carreiras de alto impacto com as quais você poderia trabalhar no longo prazo. Os seguintes passos podem ajudar:

  1. Decida quais dois a cinco problemas você acha que são mais urgentes.
  2. Encontre os perfis de problemas relevantes, leia a lista de ideias de carreira em cada perfil e anote todos os que possam ser adequados para você.
  3. Analise as quatro abordagens que cobrimos neste capítulo e liste outras opções que possam ser adequadas para você.

O objetivo neste fase é apenas apresentar mais opções. Vamos explicar como enxugar essas opções em um artigo posterior do guia.

Se você está no início de sua carreira, tente nosso teste de carreira (EM INGLÊS)
É um questionário de seis perguntas que filtra nossa lista de carreiras recomendadas tendo por base suas respostas.

Se você já tem experiência, leia nossos conselhos por área

Resumo do nosso guia de carreira até agora

Anteriormente, vimos que um trabalho agradável e gratificante:

  1. Ajuda os outros.
  2. É algo em que você é bom.
  3. Tem condições adequadas (por exemplo, trabalho envolvente, que se ajusta bem aos demais aspectos de sua vida).

Agora também vimos que o trabalho que mais ajuda os outros:

  1. Está focado nos problemas mais prioritários – aqueles que são grandes em escala, negligenciados e solucionáveis ​​- como já abordamos aqui .
  2. Utiliza abordagens mais eficazes, considerando as opções de pesquisa, ativismo e ganhar para doar, bem como o trabalho direto no problema em questão. Isso é o que abordamos no presente artigo.
  3. É algo em que você tem a chance de se destacar. Vamos explicar como descobrir onde você tem melhor aptidão mais tarde.

Você deveria se sacrificar para fazer mais bem?

As pessoas frequentemente nos perguntam se devem sacrificar o que gostam para ter um impacto maior. Mas, como você pode ver acima, fazer o bem envolve menos sacrifício do que parece. Um trabalho pessoalmente satisfatório envolve ajudar os outros, porque isso é gratificante. E um trabalho de alto impacto também será pessoalmente satisfatório, porque se você não gosta do seu trabalho, não será bom nisso e vai se esgotar. Então há muita sobreposição entre esses dois pontos.

Também vimos que há muitas maneiras de causar um grande impacto com pouco ou nenhum sacrifício. Então, ao invés de fazer sacrifícios, a ideia chave é se concentrar em encontrar essas maneiras altamente eficazes de ajudar.

Isso não quer dizer que não haja um trade-off (conflito de escolha). É improvável que a melhor carreira para você pessoalmente também seja a que mais beneficiaria o mundo. Em última análise, você terá que fazer um julgamento de valor, pensando seus próprios interesses e a possibilidade de ajudar os outros. Mas, felizmente, o trade-off é muito menor do que parece inicialmente.

Como posso me colocar na melhor posição para conseguir um trabalho de alto impacto?

Você provavelmente não irá entrar imediatamente em seu trabalho ideal. Em vez disso, você precisará desenvolver suas habilidades, conexões e credenciais – o que chamamos de capital de carreira – e se colocar em uma posição melhor para o longo prazo. Especialmente no início de sua carreira, é melhor se concentrar tanto sobre o impacto como sobre seu capital de carreira.

No próximo artigo, veremos como construir capital de carreira e melhor posicionar-se para o sucesso a longo prazo.

Parte 7: Quais empregos lhe colocam numa melhor posição para o futuro?

 

Notas e referências

  1. O relatório de 2012 da Watkins Uiberall descobriu que ( LINK ): O salário médio para diretores executivos / CEOs de ONGs está entre US $ 50.000 e US $ 75.000.Os salários dos CEOs se correlacionam com o tamanho do orçamento organizacional. Para pequenas organizações, o salário médio é entre US$ 30.000 e US$ 50.000. Entre as organizações de médio porte, 36% dos CEOs têm salários entre US $ 50.000 e US $ 75.000, enquanto 50.5% ganham mais de US$ 75.000 e 13.5% recebem menos de US$ 50.000. Entre as grandes organizações, 14,2% pagam salários de US$ 100 mil ou menos; 38,1% pagam entre US$ 101 mil e US$ 150 mil; e 47,7% pagam mais de US$ 150.000. Note que isto é significativamente menor do que os números medianos relatados pelo proeminente Charity Navigator Annual Survey . Isso ocorre porque o Charity Navigator se concentra em instituições nos EUA, de porte médio a grande, que pagam salários substancialmente mais altos.
  2. “… aqueles com renda entre US$ 100.000 e US$ 200.000 contribuem, em média, 2,6% de sua renda, que é menor comparada àqueles com renda abaixo de US$ 100.000 (3,6%) ou acima de US$ 200.000 (3,1%)” Charitable Giving in America: Some Facts and Figures. . As taxas de doações de caridade nos EUA estão entre as mais altas do mundo.
  3. Este artigo da BBC cita vários historiadores (link arquivado, recuperado em 13 de junho de 2016), concluindo: Se Turing e seu grupo não tivessem enfraquecido o cerco feito por U-boats no Atlântico Norte, a invasão aliada da Europa em 1944 – os desembarques do Dia D – poderia ter sido adiada, talvez em cerca de um ano ou mais, dado que o Atlântico Norte era a rota usada para transportar munição, combustível, comida e tropas da América para à Grã-Bretanha.
  4. O número de acadêmicos e estudantes de graduação no mundo
  5. Simonton, Dean K. “Age and outstanding achievement: What do we know after a century of research?.” Psychological bulletin 104.2 (1988): 251. PDF…