A Fábula do Dragão Tirano por Nick Bostrom

Era uma vez, um planeta que foi dominado por um dragão gigante. O dragão era mais alto do que a maior das catedrais e estava coberto com espessas escamas pretas. Seus olhos vermelhos brilhavam de ódio e de suas mandíbulas terríveis fluía um fluxo incessante de lodo verde amarelado e malcheiroso. Ele exigia da humanidade um tributo de gelar o sangue: para satisfazer seu enorme apetite, dez mil homens e mulheres tinham de ser entregues todos os dias, no início da noite, ao sopé da montanha onde vivia o dragão. Às vezes, ele devorava essas almas infelizes assim que chegavam; às vezes os trancava na montanha, onde murchariam por meses ou anos antes de serem consumidos.

A miséria infligida pelo dragão era incalculável. Além dos dez mil que eram horrivelmente massacrados todos os dias, havia mães, pais, esposas, maridos, filhos e amigos que foram deixados para trás para chorar a perda de seus entes queridos.

Algumas pessoas tentaram lutar contra o dragão, mas era difícil dizer se eram corajosas ou tolas. Padres e magos invocaram maldições, sem sucesso. Guerreiros, armados com uma coragem estrondosa e as melhores armas que os ferreiros podiam produzir, atacaram-no, mas foram incinerados pelo fogo antes de chegar perto o suficiente para atacar. Os alquimistas preparavam bebidas tóxicas e enganavam o dragão para que as engolisse, mas o único efeito aparente era estimular ainda mais seu apetite. As garras, mandíbulas e fogo do dragão eram tão eficazes, sua armadura escamosa tão inexpugnável e toda sua natureza tão robusta, que o tornava invencível a qualquer ataque por parte dos humanos.

Vendo que derrotar o tirano era impossível, os humanos não tiveram escolha a não ser obedecer seus comandos e pagar o terrível tributo. Os escolhidos geralmente sempre eram idosos. Embora os idosos fossem tão vigorosos e saudáveis quanto os jovens, e às vezes mais sábios, pensava-se que pelo menos já haviam desfrutado de algumas décadas de vida. Os ricos poderiam obter um breve adiamento subornando as gangues que vinham buscá-los; mas, pelas leis, ninguém, nem mesmo o próprio rei, poderia adiar sua vez indefinidamente.

Os homens de espírito procuraram consolar aqueles que tinham medo de serem comidos pelo dragão (o que incluía quase todos, embora muitos negassem em público) prometendo outra vida após a morte, uma vida que seria livre daquele tormento. Outros oradores argumentaram que o dragão tinha seu lugar dentro da ordem natural e o dever moral de ser alimentado. Eles disseram que fazia parte do próprio significado de ser humano acabar no estômago da fera. Outros ainda afirmavam que o dragão era bom para a espécie humana porque mantinha o tamanho da população controlado. Até que ponto esses argumentos convenceram as almas preocupadas, não se sabe. A maioria das pessoas tentava resistir não pensando no fim sombrio que os esperava.

Por muitos séculos, esse estado desesperador de coisas continuou. Ninguém mais contava o número cumulativo de mortes, nem o número de lágrimas derramadas pelos desamparados. As expectativas gradualmente se ajustaram e o tirano se tornou um fato da vida. Em vista da evidente futilidade da resistência, as tentativas de matar o dragão haviam cessado. Em vez disso, os esforços agora se concentravam em aplacá-lo. Embora o dragão ocasionalmente assaltasse as cidades, verificou-se que a entrega pontual à montanha de sua cota de vida reduzia a frequência dessas incursões.

Sabendo que sua vez de se tornarem comida sempre era iminente, as pessoas começaram a ter filhos mais cedo e com mais frequência. Não era incomum uma menina engravidar aos dezesseis anos. Os casais geralmente geravam uma dúzia de filhos. A população humana foi impedida de diminuir, e o dragão foi impedido de passar fome.

Ao longo desses séculos, o dragão, sendo bem alimentado, cresceu. Tornou-se quase tão grande quanto a montanha em que vivia. E seu apetite aumentou proporcionalmente. Dez mil corpos humanos não eram mais suficientes para encher sua barriga. Agora exigia oitenta mil, a serem entregues ao sopé da montanha todas as noites.

O que ocupou a mente dos reis mais do que as mortes e o próprio dragão foi a logística de coletar e transportar tantas pessoas para a montanha todos os dias. Isto não foi uma tarefa fácil.

Para facilitar o processo, o rei mandou construir uma ferrovia: duas linhas retas de aço reluzente que conduziam à morada do dragão. A cada vinte minutos, um trem chegava ao terminal da montanha lotado de gente e voltava vazio. Em noites de luar, os passageiros que viajavam neste trem, se houvesse janelas para colocar a cabeça para fora, teriam sido capazes de ver na frente deles a silhueta dupla do dragão e da montanha, e dois olhos vermelhos brilhantes , como os feixes de um par de faróis gigantes, apontando o caminho para a aniquilação.

Os servos eram empregados pelo rei em grande número para administrar o tributo. Havia registradores que controlavam de quem era a vez de ser enviado. Havia os coletores de pessoas que seriam enviados em carrinhos especiais para buscar as pessoas designadas. Frequentemente viajando a uma velocidade vertiginosa, eles levavam sua carga às pressas para uma estação ferroviária ou diretamente para a montanha. Havia escriturários que administravam as pensões pagas às famílias dizimadas que não tinham mais condições de se sustentar. Havia consoladores que viajariam com os condenados em seu caminho para a boca do dragão, tentando aliviar sua angústia com palavras espirituosas e drogas.

Além disso, havia um grupo de dragonologistas que estudaram como esses processos logísticos poderiam ser mais eficientes. Alguns dragonologistas também realizaram estudos da fisiologia e do comportamento do dragão e coletaram amostras — suas escamas caídas, o limo que escorria de suas mandíbulas, seus dentes perdidos e seus excrementos, que estavam salpicados com fragmentos de osso humano. Todos esses itens foram cuidadosamente anotados e arquivados. Quanto mais a besta era compreendida, mais a percepção geral de sua invencibilidade era confirmada. Suas escamas negras, em particular, eram mais duras do que qualquer material conhecido pelo homem, e parecia não haver maneira de fazer mais do que um arranhão em sua armadura.

Para financiar todas essas atividades, o rei cobrou pesados impostos de seu povo. As despesas relacionadas ao dragão, que já representavam um sétimo da economia, estavam crescendo ainda mais rápido do que o próprio monstro.

A humanidade é uma espécie curiosa. De vez em quando, alguém tem uma boa ideia. Outros copiam a ideia, adicionando a ela suas próprias melhorias. Com o tempo, muitas ferramentas e sistemas maravilhosos são desenvolvidos. Alguns desses dispositivos — calculadoras, termômetros, microscópios e os frascos de vidro que os químicos usam para ferver e destilar líquidos — servem para tornar mais fácil gerar e experimentar novas ideias, incluindo ideias que agilizam o processo de geração de ideias.

Assim, a grande roda da invenção, que girava em um ritmo quase imperceptivelmente lento nas eras mais antigas, começou gradualmente a acelerar.

Os sábios previram que chegaria o dia em que a tecnologia permitiria aos humanos voar e fazer muitas outras coisas surpreendentes. Um dos sábios, que era muito estimado por alguns dos outros, mas cujas maneiras excêntricas o tornaram um pária social e recluso, chegou a predizer que a tecnologia acabaria tornando possível construir uma máquina que poderia matar o dragão.

Os conselheiros do rei, no entanto, rejeitaram essas ideias. Eles disseram que os humanos eram pesados demais para voar e, de qualquer forma, não tinham penas. E quanto à ideia impossível de que o dragão pudesse ser morto, os livros de história relataram centenas de tentativas de fazer exatamente isso, nenhuma das quais teve sucesso. “Todos nós sabemos que este homem tinha algumas ideias irresponsáveis”, escreveu um estudioso mais tarde em seu obituário do sábio solitário que havia sido enviado para ser devorado pela besta cuja morte ele havia predito, “mas seus escritos foram muito divertidos e talvez devêssemos ser gratos ao dragão por tornar possível o gênero interessante de literatura sobre a luta contra o dragão, que revela tanto sobre a cultura da angústia! ”

Enquanto isso, a roda da inovação continuava girando. Poucas décadas depois, os humanos voaram e realizaram muitas outras coisas surpreendentes.

Alguns dragonologistas iconoclastas começaram a argumentar por um novo ataque contra o dragão . Matar o dragão não seria fácil, eles disseram, mas se algum material pudesse ser inventado que fosse mais duro do que a armadura do dragão, e se esse material pudesse ser transformado em algum tipo de projétil, então talvez a façanha fosse possível. No início, as ideias dos iconoclastas foram rejeitadas por seus colegas dragonólogos com base no fato de que nenhum material conhecido era mais duro do que escamas do dragão. Mas depois de trabalhar no problema por muitos anos, um dos iconoclastas conseguiu demonstrar que uma escama de dragão poderia ser perfurada por um objeto feito de um determinado material composto. Muitos dragonologistas que antes eram céticos se juntaram aos iconoclastas. Os engenheiros calcularam que um enorme projétil poderia ser feito desse material e lançado com força suficiente para penetrar na armadura do dragão. No entanto, a fabricação da quantidade necessária do material composto seria muito cara.

Um grupo de vários engenheiros e dragonologistas eminentes enviaram uma petição ao rei pedindo financiamento para construir o projétil anti-dragão. No momento em que a petição foi enviada, o rei estava preocupado em liderar seu exército na guerra contra um tigre. O tigre matou um fazendeiro e, posteriormente, desapareceu na selva. Havia medo generalizado no campo de que o tigre pudesse sair e atacar novamente. O rei cercou a selva e ordenou que suas tropas começassem a abrir caminho através dela. No final da campanha, o rei poderia anunciar que todos os 163 tigres na selva, incluindo presumivelmente o assassino, foram caçados e mortos. Durante o tumulto da guerra, no entanto, a petição foi perdida ou esquecida.

Os peticionários, portanto, enviaram outro pedido. Desta vez, eles receberam uma resposta de um dos secretários do rei, dizendo que o rei consideraria seu pedido depois de revisar o orçamento anual da administração do dragão. O orçamento deste ano foi o maior até o momento e incluiu financiamento para uma nova ferrovia. Uma segunda trilha foi considerada necessária, pois a trilha original não podia mais suportar o tráfego crescente. (O tributo exigido pelo tirano havia aumentado para cem mil seres humanos, para serem entregues ao sopé da montanha todas as noites.) Quando o orçamento foi finalmente aprovado, no entanto, relatórios vinham de um parte remota do país onde uma aldeia estava sofrendo de uma infestação de cobras. O rei teve que sair com urgência para mobilizar seu exército e cavalgar para derrotar essa nova ameaça. O apelo dos anti-dragonistas foi arquivado em um arquivo empoeirado no porão do castelo.

Os anti-dragonistas se reuniram novamente para decidir o que deveria ser feito. O debate foi animado e continuou noite adentro. Já estava quase amanhecendo quando eles finalmente resolveram levar o assunto ao povo. Nas semanas seguintes, eles viajaram pelo país, deram palestras públicas e explicaram sua proposta a quem quisesse ouvir. No início, as pessoas ficaram céticas. Eles haviam aprendido na escola que o dragão era invencível e que os sacrifícios que exigia deveriam ser aceitos como um fato da vida. No entanto, quando aprenderam sobre o novo material composto e sobre os projetos da arma, muitos ficaram intrigados. Em números cada vez maiores, os cidadãos acorriam às palestras anti-dragonistas. Os ativistas começaram a organizar comícios públicos em apoio à proposta.

Quando o rei leu sobre essas reuniões no jornal, ele convocou seus conselheiros e perguntou-lhes o que eles achavam disso. Eles o informaram sobre as petições que haviam sido enviadas, mas disseram que os anti-dragonistas eram criadores de problemas cujos ensinamentos estavam causando agitação pública. Era muito melhor para a ordem social, eles diziam, que o povo aceitasse a inevitabilidade do tributo ao dragão. A administração forneceu muitos empregos que seriam perdidos se o dragão fosse massacrado. Não havia nenhum bem social conhecido que poderia vir da morte do dragão. Em qualquer caso, os cofres do rei estavam quase vazios após as duas campanhas militares e o financiamento reservado para a segunda linha ferroviária. O rei, que na época gozava de grande popularidade por ter vencido a infestação de cobras, ouviu os argumentos de seus conselheiros, mas temeu perder parte de seu apoio popular se ignorasse a petição anti-dragonista. Portanto, ele decidiu realizar uma audiência pública. Os principais dragonologistas, ministros de estado e membros interessados do público foram convidados a participar.

O encontro aconteceu no dia mais escuro do ano, pouco antes do feriado de Natal, no salão maior do castelo real. O salão estava lotado até o último assento e as pessoas se amontoavam nos corredores. O clima estava carregado de uma intensidade séria normalmente reservada para as principais sessões de guerra.

Depois que o rei deu as boas-vindas a todos, ele deu a palavra à principal cientista por trás da proposta anti-dragão, uma mulher com uma expressão séria, quase severa no rosto. Ela passou a explicar em linguagem clara como o dispositivo proposto funcionaria e como a quantidade necessária do material composto poderia ser fabricada. Dado o montante de financiamento solicitado, deveria ser possível concluir a obra em quinze a vinte anos. Com um montante de financiamento ainda maior, talvez fosse possível fazer isso em menos de doze anos. No entanto, não poderia haver garantia absoluta de que funcionaria. A multidão acompanhou sua apresentação atentamente.

O próximo a falar era o principal conselheiro do rei, um homem com uma voz estrondosa que enchia facilmente o auditório:

“Vamos admitir que essa mulher esteja certa sobre sua ciência e que o projeto seja tecnologicamente possível, embora eu não ache que isso tenha realmente sido provado. Agora ela deseja que nos livremos do dragão. Presumivelmente, ela pensa que tem o direito de não ser devorada pelo dragão. Quão obstinado e presunçoso de sua parte. A finitude da vida humana é uma bênção para cada indivíduo, quer ele saiba disso ou não. Livrar-se do dragão, o que pode parecer uma coisa tão conveniente de fazer, minaria nossa dignidade humana. A preocupação em matar o dragão nos desviará de realizar plenamente as aspirações para as quais nossas vidas apontam naturalmente, de viver bem em vez de simplesmente permanecermos vivos. É degradante, sim degradante, para uma pessoa querer continuar sua vida medíocre pelo maior tempo possível, sem se preocupar com algumas das questões mais elevadas da vida. Mas eu digo a vocês, a natureza do dragão é comer humanos, e nossa própria natureza é verdadeira e nobremente satisfeita apenas sendo comida por ele … ”

O público ouviu com respeito a este orador altamente condecorado. As frases eram tão eloquentes que era difícil resistir à sensação de que alguns pensamentos profundos deviam estar ocultos por trás delas, embora ninguém pudesse compreender quais eram. Certamente, as palavras vindas de um nomeado tão distinto do rei devem ter uma substância profunda.

O orador seguinte na fila era um sábio amplamente respeitado por sua bondade e gentileza, bem como por sua devoção. Enquanto ele caminhava para o pódio, um garotinho gritou da platéia: “O dragão é mau!”

Os pais do menino ficaram vermelhos e começaram a silenciar e repreender a criança. Mas o sábio disse: “Deixe o menino falar. Ele provavelmente é mais sábio do que um velho idiota como eu.”

No início, o menino estava muito assustado e confuso para se mover. Mas quando ele viu o sorriso genuinamente amigável no rosto do sábio e a mão estendida, ele obedientemente a pegou e seguiu o sábio até o pódio. “Ora, aqui está um homenzinho corajoso”, disse o sábio. “Você tem medo do dragão?”

“Quero minha avó de volta”, disse o menino.

“O dragão levou sua avó embora?”

“Sim”, disse o menino, as lágrimas brotando em seus grandes olhos assustados. “A vovó prometeu que me ensinaria a fazer biscoitos de gengibre no Natal. Ela disse que faríamos uma casinha de pão de mel e pequenos bonecos de pão que viveriam nela. Aí vieram aquelas pessoas de roupas brancas e levaram a vovó para o dragão … O dragão é ruim e come as pessoas … quero minha vovó de volta! ”

Nesse ponto, a criança chorava tanto que o sábio teve de devolvê-la aos pais.

Houve vários outros oradores naquela noite, mas o testemunho simples da criança perfurou o balão retórico que os ministros do rei tentaram inflar. O povo estava apoiando os anti-dragonistas e, no final da noite, até mesmo o rei reconheceu a razão e a humanidade de sua causa. Em sua declaração final, ele simplesmente disse: “Vamos lá!”

À medida que a notícia se espalhava, as comemorações irromperam nas ruas. Aqueles que estavam em campanha pelos anti-dragonistas brindaram uns aos outros e beberam pelo futuro da humanidade.

Na manhã seguinte, um bilhão de pessoas acordou e percebeu que sua vez de serem enviadas ao dragão chegaria antes que o projétil fosse concluído. Um ponto crítico foi alcançado. Considerando que antes, o apoio ativo para a causa anti-dragonista tinha sido limitado a um pequeno grupo de visionários, agora se tornou a prioridade número um e preocupação onipresente na mente de todos. A noção abstrata de “vontade geral” assumiu uma intensidade e concretude quase tangíveis. As manifestações em massa arrecadaram dinheiro para o projeto e instaram o rei a aumentar o nível de apoio do estado. O rei respondeu a esses apelos. Em seu discurso de Ano Novo, ele anunciou que aprovaria um projeto de lei de tributos extra para apoiar o projeto com um alto nível de financiamento; além disso, ele venderia seu castelo de verão e algumas de suas terras e faria uma grande doação pessoal. “Acredito que esta nação deve se comprometer a alcançar essa meta, antes do fim desta década, de libertar o mundo do antigo flagelo do dragão tirano.”

Assim começou uma grande corrida tecnológica contra o tempo. O conceito de um projétil anti-dragão era simples, mas torná-lo realidade exigia soluções para milhares de problemas técnicos menores, cada um dos quais exigia dezenas de etapas demoradas e incorriam em vários erros. Mísseis de teste foram disparados, mas caíram mortos no chão ou voaram na direção errada. Em um trágico acidente, um míssil caiu em um hospital e matou várias centenas de pacientes e funcionários. Mas agora havia uma verdadeira seriedade de propósito, e os testes continuaram mesmo enquanto os cadáveres eram retirados dos escombros.

Apesar do financiamento quase ilimitado e do trabalho ininterrupto dos técnicos, o prazo do rei não pôde ser cumprido. A década terminou e o dragão ainda estava vivo e passando bem. Mas o esforço estava se aproximando de seu objetivo. Um protótipo de míssil foi disparado com sucesso. A produção do núcleo, feito do caro material composto, estava programado para sua conclusão para coincidir com o acabamento do projétil totalmente testado no qual seria carregado. A data de lançamento foi definida para a véspera de Ano Novo do ano seguinte, exatamente doze anos após a inauguração oficial do projeto. O presente de Natal mais vendido naquele ano foi um calendário que contava os dias até o tempo zero, com os lucros indo para o projeto do míssil.

O rei havia passado por uma transformação pessoal de seu eu anterior frívolo e impensado. Ele agora passava o máximo de tempo que podia nos laboratórios e nas fábricas, incentivando os trabalhadores e elogiando seu trabalho. Às vezes, ele trazia um saco de dormir e passava a noite no chão. Ele até estudou e tentou entender os aspectos técnicos do trabalho. Mesmo assim, ele se limitou a dar apoio moral e se absteve de se intrometer em questões técnicas e administrativas.

Sete dias antes do Ano Novo, a mulher que havia defendido o projeto quase doze anos antes, e agora era sua chefe executiva, foi ao castelo real e solicitou uma audiência urgente com o rei. Quando o rei recebeu seu bilhete, pediu licença aos dignitários estrangeiros a quem estava relutantemente entretendo na ceia anual de Natal e correu para a sala privada onde a cientista estava esperando. Como sempre, ela parecia pálida e cansada pelas longas horas de trabalho. Esta noite, porém, o rei também pensou que poderia detectar um raio de alívio e satisfação em seus olhos.

Ela disse a ele que o míssil havia sido terminado, o núcleo estava carregado, tudo fora verificado três vezes, que estavam prontos para o lançamento e que o rei precisava dar seu sinal verde final. O rei afundou em uma poltrona e fechou os olhos. Ele estava pensando muito. Ao lançar o projétil esta noite, uma semana antes, setecentas mil pessoas teriam sido salvas. No entanto, se algo desse errado, se ele errasse o alvo e atingisse a montanha, seria um desastre. Um novo núcleo teria que ser construído do zero e o projeto seria atrasado em cerca de quatro anos. Ele ficou sentado lá, em silêncio, por quase uma hora. Assim que a cientista se convenceu de que havia adormecido, ele abriu os olhos e disse com voz firme: “Não. Eu quero que você volte direto para o laboratório. Quero que você verifique e verifique tudo novamente.” A cientista não pôde evitar que um suspiro escapasse dela; mas ela acenou com a cabeça e saiu.

O último dia do ano foi frio e nublado, mas não havia vento, o que significava boas condições de lançamento. O sol estava se pondo. Os técnicos estavam fazendo os ajustes finais e dando uma última verificação em tudo. O rei e seus conselheiros mais próximos estavam observando de uma plataforma próxima à plataforma de lançamento. Mais adiante, atrás de uma cerca, um grande número de pessoas se reuniu para testemunhar o grande evento. Um grande relógio exibia a contagem regressiva: faltavam cinquenta minutos.

Um conselheiro deu um tapinha no ombro do rei e chamou sua atenção para a cerca. Houve algum tumulto. Aparentemente, alguém havia pulado a cerca e estava correndo em direção à plataforma onde o rei estava sentado. A segurança rapidamente o alcançou. Ele foi algemado e levado embora. O rei voltou sua atenção para a plataforma de lançamento e para a montanha ao fundo. Na frente dele, ele podia ver o perfil escuro e curvado do dragão. Ele estava comendo.

Cerca de vinte minutos depois, o rei ficou surpreso ao ver o homem algemado reaparecendo a uma curta distância da plataforma. Seu nariz estava sangrando e ele estava acompanhado por dois seguranças. O homem parecia estar em um estado de frenesi. Quando viu o rei, começou a gritar com toda a força: “O último trem! O último trem! Pare o último trem! ”

“Quem é este jovem?” disse o rei. “Seu rosto parece familiar, mas não consigo identificá-lo. O que ele quer? Deixe-o subir. ”

O jovem era um secretário no ministério dos transportes, e o motivo de sua agitação era que descobrira que seu pai estava no último trem para a montanha. O rei ordenou que o tráfego de trem continuasse, temendo que qualquer interrupção pudesse fazer o dragão se mexer e deixar o campo aberto na frente da montanha onde agora passava a maior parte do tempo. O jovem implorou ao rei que emitisse uma ordem para o último trem parar, que deveria chegar ao terminal da montanha cinco minutos atrasado em relação ao horário zero.

“Não posso fazer isso”, disse o rei, “não posso correr o risco.”

“Mas os trens costumam atrasar cinco minutos. O dragão não vai notar! Por favor!”

O jovem estava ajoelhado diante do rei, implorando-lhe para salvar a vida de seu pai e a vida dos outros mil passageiros a bordo do último trem.

O rei olhou para o rosto suplicante e ensanguentado do jovem. Mas ele mordeu o lábio e balançou a cabeça. O jovem continuou a chorar mesmo enquanto os guardas o carregavam para fora da plataforma: “Por favor! Pare o último trem! Por favor!”

O rei ficou em silêncio e imóvel, até que, depois de um tempo, o choro cessou repentinamente. O rei ergueu os olhos e olhou para o relógio de contagem regressiva: cinco minutos.

Quatro minutos. Três minutos. Dois minutos.

O último técnico saiu da plataforma de lançamento.

30 segundos. 20 segundos. Dez, nove, oito …

Quando uma bola de fogo envolveu a plataforma de lançamento e o míssil disparou, os espectadores instintivamente se ergueram até a ponta dos pés e todos os olhos se fixaram na extremidade dianteira da chama branca dos pós-combustores do foguete em direção à montanha distante. As massas, o rei, o baixo e o alto, os jovens e os velhos, era como se neste momento eles compartilhassem uma única consciência, uma única experiência: aquela chama branca, disparando na escuridão, encarnando o espírito humano, seu medo e sua esperança … atingindo o coração do mal. A silhueta no horizonte caiu e desapareceu. Milhares de vozes de pura alegria se ergueram das massas reunidas, segundos depois por um baque surdo e ensurdecedor do monstro morrendo, como se a própria Terra estivesse dando um suspiro de alívio. Depois de séculos de opressão, a humanidade finalmente estava livre da cruel tirania do dragão.

O grito de alegria se transformou em um canto de júbilo: “Viva o rei! Viva todos nós! ” Os conselheiros do rei, como todos naquela noite, estavam felizes como crianças; eles se abraçaram e parabenizaram o rei: “Conseguimos! Conseguimos!”

Mas o rei respondeu com a voz quebrada: “Sim, conseguimos, matamos o dragão hoje. Mas por que começamos tão tarde? Isso poderia ter sido feito cinco, talvez dez anos atrás! Milhões de pessoas não teriam que morrer.”

O rei desceu da plataforma e caminhou até o jovem algemado, que estava sentado no chão. Lá ele caiu de joelhos. “Perdoe-me! Oh meu Deus, por favor, me perdoe! ”

A chuva começou a cair, em grandes e pesadas gotas, transformando o solo em lama, encharcando as vestes roxas do rei e dissolvendo o sangue no rosto do jovem. “Lamento muito pelo seu pai”, disse o rei.

“Não é sua culpa”, respondeu o jovem. “Você se lembra de doze anos atrás no castelo? Aquele garotinho chorando que queria que você trouxesse sua avó de volta — era eu. Eu não percebi na naquele momento que você não poderia fazer o que eu pedi. Hoje eu queria que você salvasse meu pai. No entanto, era impossível fazer isso agora, sem comprometer o lançamento. Mas você salvou minha vida, minha mãe e minha irmã. Como podemos agradecer o suficiente por isso? ”

“Escute-os”, disse o rei, gesticulando em direção à multidão. “Eles estão me louvando pelo que aconteceu esta noite. Mas o herói é você. Você gritou. Você nos reuniu contra o mal.” O rei sinalizou para um guarda vir e destravar as algemas. “Agora, vá para sua mãe e irmã. Você e sua família serão sempre bem-vindos na corte, e tudo o que desejar — se estiver em meu poder — será concedido.”

O jovem saiu, e a comitiva real, amontoada na chuva, acumulou-se em torno de seu monarca, que ainda estava ajoelhado na lama. Em meio à alta costura, cada vez mais arruinada pela chuva, um punhado de rostos empoados expressava uma superposição de alegria, alívio e desconcerto. Tanta coisa havia mudado na última hora: o direito a um futuro livre fora reconquistado, um medo primordial fora abolido e muitas suposições antigas haviam sido derrubadas. Inseguros agora sobre o que era exigido deles nesta situação desconhecida, eles ficaram ali hesitantes, como se sondando se o chão ainda se manteria, trocando olhares e esperando por algum tipo de indicação.

Finalmente, o rei se levantou, enxugando as mãos nas laterais das calças.

“Vossa majestade, o que fazemos agora?”, arriscou o cortesão mais velho.

“Meus queridos amigos”, disse o rei, “percorremos um longo caminho … mas nossa jornada apenas começou. Nossa espécie é jovem neste planeta. Hoje somos como crianças novamente. O futuro está aberto diante de nós. Devemos entrar neste futuro e tentar fazer melhor do que fizemos no passado. Temos tempo agora — tempo para acertar as coisas, tempo para crescer, tempo para aprender com nossos erros, tempo para o lento processo de construção de um mundo melhor e tempo para se estabelecer nele. Esta noite, deixe todos os sinos do reino tocarem até meia-noite, em memória de nossos antepassados mortos, e então depois da meia-noite vamos comemorar até o sol raiar. E nos próximos dias … acredito que temos alguma reorganização a fazer! ”

A Moral da História:

Os relatos sobre o envelhecimento têm tradicionalmente focado na necessidade de uma acomodação elegante. A solução recomendada para diminuir o vigor e a morte iminente era a resignação associada a um esforço para alcançar o término gradual de assuntos práticos e relacionamentos pessoais. Visto que nada poderia ser feito para prevenir ou retardar o envelhecimento, esse enfoque fazia sentido. Em vez de se preocupar com o inevitável, pode-se almejar a paz de espírito.

Hoje enfrentamos uma situação diferente. Embora ainda faltem meios eficazes e aceitáveis para retardar o processo de envelhecimento [1], podemos identificar direções de pesquisa que podem levar ao desenvolvimento de tais meios em um futuro previsível. Histórias e ideologias passivas com a morte, que aconselham a aceitação, não são mais fontes inofensivas de consolo. Eles são barreiras fatais para ações urgentemente necessárias.

Muitos tecnólogos e cientistas renomados nos dizem que será possível retardar e, eventualmente, interromper e reverter a senescência humana [2]. No momento, há pouco acordo sobre a escala de tempo ou os meios específicos, nem há um consenso de que a meta seja alcançável em princípio. Em relação à fábula (onde o envelhecimento é, obviamente, representado pelo dragão), estamos, portanto, em um estágio em algum lugar entre aquele em que o sábio solitário previu a morte final do dragão e aquele em que os dragonologistas iconoclasta convenceram seus pares, demonstrando um material composto que era mais duro do que escamas do monstro.

O argumento ético que a fábula apresenta é simples: existem razões morais óbvias e convincentes para as pessoas na fábula se livrarem do dragão. Nossa situação com respeito à senescência humana é intimamente análoga e eticamente isomórfica à situação das pessoas na fábula a respeito do dragão. Portanto, temos fortes razões morais para nos livrar da senescência humana.

O argumento não é a favor da extensão do tempo de vida em si. Adicionar anos extras de doença e debilidade no final da vida seria inútil. O argumento é a favor de estender, tanto quanto possível, a amplitude da saúde humana. Ao retardar ou interromper o processo de envelhecimento, a expectativa de uma vida humana saudável seria estendida. Os indivíduos seriam capazes de permanecer saudáveis, vigorosos e produtivos em idades em que, de outra forma, estariam mortos.

Além dessa moral geral, há uma série de lições mais específicas:

  • Uma Tragédia Recorrente tornou-se um Fato da Vida, uma Estatística: na fábula, as expectativas das pessoas se adaptaram à existência do dragão, a ponto de muitos se tornarem incapazes de perceber sua maldade. O envelhecimento também se tornou um mero “fato da vida” — apesar de ser a principal causa de uma quantidade insondável de sofrimento e morte humana;
  • Uma Visão Estática da Tecnologia: as pessoas argumentaram que nunca seria possível matar o dragão porque todas as tentativas falharam no passado. Eles falharam em levar em consideração o progresso tecnológico acelerado. Um erro semelhante está nos levando a subestimar as chances de cura para o envelhecimento?;
  • A Administração se tornou se Próprio Propósito: um sétimo da produção da economia foi para a administração do problema do dragão (que também é a fração do PIB que os EUA gastam com saúde). A limitação de danos tornou-se um foco tão exclusivo que fez as pessoas negligenciarem a causa subjacente. Em vez de um maciço programa de pesquisa com financiamento público para deter o envelhecimento, gastamos quase todo o nosso orçamento de saúde em cuidados de saúde e em pesquisas de doenças individuais;
  • O Bem Social se separou do Bem para as Pessoas: os conselheiros do rei estavam preocupados com os possíveis problemas sociais que poderiam ser causados pelos anti-dragonistas. Eles disseram que nenhum bem social conhecido viria da morte do dragão. Em última análise, no entanto, as ordens sociais existem para o benefício das pessoas, e geralmente é bom para as pessoas se suas vidas forem salvas;
  • A Falta de Senso de Proporção: um tigre matou um fazendeiro. Uma rumba de cobras assolou uma aldeia. O rei se livrou do tigre e das cobras e, assim, prestou um serviço ao seu povo. No entanto, ele era o culpado, porque errou em suas prioridades;
  • Frases Bonitas e Retórica Vazia: o conselheiro do rei falou eloquentemente sobre a dignidade humana e nossa natureza especificada pela espécie, em frases retiradas, na maioria literalmente, dos equivalentes contemporâneos do conselheiro [3]. No entanto, a retórica era uma cortina de fumaça que mais escondia do que revelava a realidade moral. O testemunho inarticulado, mas honesto do menino, em contraste, aponta para o fato central do caso: o dragão é mau; ele destrói pessoas. Esta também é a verdade básica sobre a senescência humana;
  • Falha em Avaliar a Urgência: até muito tarde na história, ninguém percebeu totalmente o que estava em jogo. Só quando o rei estava olhando para o rosto ensanguentado do jovem suplicante é que a extensão da tragédia se manifestou. Buscar a cura para o envelhecimento não é apenas uma coisa boa que talvez devamos um dia fazer. É um imperativo moral urgente e gritante. Quanto mais cedo iniciarmos um programa de pesquisa focado, mais cedo obteremos resultados. É importante a diferença se conseguirmos a cura em 25 anos, em vez de em 24: uma população maior do que a do Canadá morreria como resultado. Nesse sentido, tempo é igual a vida, a uma taxa de aproximadamente 70 vidas por minuto. Com o medidor correndo a um ritmo tão furioso, devemos parar de tagarelar;
  • “E nos próximos dias … acredito que temos alguma reorganização a fazer!”: o rei e seu povo enfrentarão grandes desafios quando se recuperarem da celebração. A sociedade deles foi tão condicionada e deformada pela presença do dragão que agora existe um vazio assustador. Eles terão que trabalhar criativamente, tanto no nível individual quanto social, para desenvolver condições que manterão vidas dinâmicas e significativas além do habitual. Felizmente, o espírito humano é bom em se adaptar. Outro problema que eles podem enfrentar é a superpopulação. Talvez as pessoas tenham que aprender a ter filhos mais tarde e com menos frequência. Talvez eles possam encontrar maneiras de sustentar uma população maior usando uma tecnologia mais eficiente. Talvez um dia eles desenvolvam naves espaciais e comecem a colonizar o cosmos. Podemos deixar, por agora, o povo da fábula para enfrentar esses novos desafios, enquanto tentamos fazer algum progresso em nossa própria aventura [4].

Notas:

[1]: A restrição calórica (uma dieta baixa em calorias, mas rica em nutrientes) estende a expectativa de vida máxima e retarda o aparecimento de doenças relacionadas com a idade em todas as espécies testadas. Os resultados preliminares de um estudo em andamento em macacos rhesus e esquilos mostram efeitos semelhantes. Parece bastante provável que a restrição calórica funcione para a nossa espécie também. Poucos humanos, entretanto, estariam dispostos a passar por uma dieta de fome para toda a vida. Alguns pesquisadores estão procurando miméticos de restrição calórica — compostos que provocam os efeitos desejáveis da redução da ingestão calórica sem que tenhamos que passar fome ( veja em “Lane, M. et al. (1999), Nutritional modulation of aging in nonhuman primates, J. Nutr. Health & Aging, 3(2): 69–76.);

[2]: Uma pesquisa recente no 10º Congresso da Associação Internacional de Gerontologia Biomédica revelou que a maioria dos participantes achava provável ou “não improvável” que o rejuvenescimento funcional abrangente de camundongos de meia-idade seria possível dentro de 10–20 anos ( “Grey, A. (2004), Report of open discussion on the future of life extension research, (Annals NY Acad. Sci., 1019, in press))”. Veja também em “de Grey, A., B. Ames, et al. (2002) Time to talk SENS: critiquing the immutability of human agingIncreasing Healthy Life Span: Conventional Measures and Slowing the Innate Aging Process: Ninth Congress of the International Association of Biomedical Gerontology, ed. D. Harman (Annals NY Acad. Sci. 959: 452–462)”; e “Freitas Jr., R. A., Nanomedicine, Vol. 1 (Landes Bioscience: Georgetown, TX, 1999)”);

[3]: Por exemplo em “Kass, L. (2003) Ageless Bodies, Happy Souls: Biotechnology and the Pursuit of Perfection, The New Atlantis, 1.”;

[4]: Sou grato a muitas pessoas pelos comentários sobre os rascunhos anteriores, incluindo especialmente Heather Bradshaw, Roger Crisp, Aubrey de Gray, Katrien Devolder, Joel Garreau, John Harris, Andrea Landfried, Toby Ord, Susan Rogers, Julian Savulescu, Ian Watson e Kip Werking. Também sou muito grato a Adi Berman, Pierino Forno, Didier Coeurnelle e outros que traduziram a fábula para outras línguas e a todos que ajudaram a espalhar a palavra ou deram encorajamento. Obrigado!

* Nick Bostrom é professor de filosofia na Oxford University e diretor do Future of Humanity Institute. Ele é autor do famoso livro sobre inteligência artificial “Superintelligence: Paths, Dangers, Strategies” e sua pesquisa versa nas área de inteligência artificial, biosegurança, macroestratégia e diversos outros temas tecnológicos. O presente artigo foi publicado originalmente no “Journal of Medical Ethics” e a versão original está disponível aqui.

Tradução: Chaos Star, reproduzido com sua autorização. Você lê sua tradução original aqui.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado