Dobrar a fortificação de alimentos para fortalecer o futuro

criança comendo

PelagraBeribéri. Você provavelmente nunca ouviu falar dessas doenças debilitantes: elas foram praticamente erradicadas há mais de 70 anos, adicionando vitaminas e minerais essenciais aos alimentos e condimentos comuns. Uma das formas mais comuns de fortificação, a iodização do sal, é agora praticada em mais de 160 países e é creditada com a prevenção de 750 milhões de casos de bócio nos últimos 25 anos.

A maioria de nós não se preocupa com essas doenças ou pensa em como se proteger delas, porque os alimentos que consumimos cotidianamente fazem esse trabalho para nós.

Então, por que quase um terço da nossa população global sofre de doenças — até mortes prematuras — que são evitáveis através de uma dieta comum? Porque dietas saudáveis geralmente não são acessíveis a muitas pessoas em todo o mundo. Para melhorar as dietas, não aproveitamos todo o potencial da fortificação de alimentos — que é basicamente adicionar, de maneira barata, vitaminas e minerais essenciais aos alimentos que as pessoas consomem todos os dias.

Vitaminas e minerais são essenciais para um melhor funcionamento do sistema imunológico, melhor cognição e um bom crescimento e desenvolvimento. Uma nova revisão e metanálise de 50 estudos ajuda a preencher uma lacuna crítica de conhecimento sobre o impacto total dos programas de fortificação em larga escala nos países de baixa e média renda. Os programas de fortificação de alimentos com iodo, ácido fólico, vitamina A e ferro levaram a reduções drásticas de doenças graves nestes países, ajudando a alcançar:

  • Uma redução de 34% na anemia devido a melhoras nas reservas de ferro no organismo. O estudo também revelou que, embora todas as faixas etárias se beneficiassem da fortificação com ferro, as que corriam maior risco de deficiência se beneficiavam mais, como mulheres em idade reprodutiva e gestantes;
  • Uma redução de 74% nas chances de desenvolver bócio e uma redução significativa na deficiência de iodo;
  • Uma redução de 41% nas chances de desenvolvimento de defeitos do tubo neural devido à redução da deficiência de folato entre mulheres em idade reprodutiva; e
  • Uma redução da deficiência de vitamina A (DVA) de aproximadamente três milhões de crianças (0 a 9 anos) em apenas um ano, reduzindo significativamente o risco de mortalidade.

O Banco Mundial e o Consenso de Copenhague classificaram a fortificação de alimentos como um dos melhores investimentos em ajuda ao desenvolvimento em termos de custo-efetividade. O custo incremental por pessoa por ano é baixo, variando de US $ 0,05 para sal iodado a US $ 0,12 para trigo e milho enriquecido com ferro e ácido fólico, com custos vitalícios inferiores a US $ 15 para essas duas mercadorias fortificadas.

As relações custo-benefício — a relação entre os benefícios econômicos e seus custos — também são impressionantes: 30: 1 para iodo no sal, 46: 1 para ácido fólico na farinha de trigo ou de milho e 8: 1 para ferro em farinha de trigo ou de milho. Em uma base média ponderada, cada US $ 1 investido em fortificação gera US $ 27 em retorno econômico devido a doenças evitadas e maior produtividade no trabalho. Esses custos e retornos econômicos são geralmente comparáveis a outras intervenções amplamente aceitas em saúde pública, como a vacinação, onde o custo incremental de uma criança com suas vacinas em dia é de aproximadamente US $ 45 e a relação custo-benefício é de aproximadamente 16: 1 (Figura 1).

Figura 1: Comparabilidade geral dos custos e retornos econômicos: fortificação versus vacinação

As evidências são claras, mas a cobertura de programas de fortificação de alimentos ainda é muito baixa. Enquanto mais de 80 países agora fortificam trigo, milho ou arroz, apenas 26% da farinha de trigo, 68% da farinha de milho e menos de 1% do arroz moído em instalações industrializadas são fortificados. Baixos níveis de adequação da indústria com os padrões de fortificação agravam ainda mais o problema em muitos países. Pior ainda, existem 75 países de baixa ou média renda com ingestão inadequada de micronutrientes que não possuem legislação de fortificação para um ou mais alimentos básicos e condimentos altamente consumidos (Figura 2), isto de acordo com o Global Fortification Data Exchange (GFDx) . Esta é uma enorme oportunidade perdida.

Figura 2: Países com potencial para se beneficiar de novos programas de fortificação, Brasil incluso.

À luz das novas evidências do impacto da fortificação de alimentos, bem como de sua relação custo-benefício, é simplesmente inaceitável que os alimentos fortificados não estejam mais amplamente disponíveis para os estimados dois bilhões em todo o mundo que sofrem de deficiências básicas de micronutrientes.

Com essa ferramenta de baixo custo e alto impacto, podemos prevenir doenças e deficiências, gerar retornos econômicos maciços nos países em desenvolvimento e salvar vidas. Governos, doadores, setor privado, implementadores de programas sociais e a própria sociedade civil devem trabalhar urgentemente em conjunto para dobrar a fortificação de alimentos como uma das intervenções de saúde pública mais urgente de nosso tempo. Com o aumento do compromisso político, os componentes relevantes para implementação de programas de fortificação seguirão mais facilmente — incluindo a promulgação de nova legislação de fortificação e a melhoria da entrega e monitoramento dos programas existentes para aumentar a qualidade e a cobertura.

Tradução livre de “Doubling down on food fortification to fortify the future” por Caio Freire.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado