Bill Gates tuitou um gráfico e provocou um enorme debate sobre a pobreza global

pobreza global ourworldindata

A pobreza global diminuiu drasticamente?

Isso pode parecer uma questão simples de responder, mas se tornou o tópico de um debate acirrado entre especialistas em desenvolvimento, economistas e acadêmicos.

A disputa começou com este gráfico:

pobreza global ourworldindata
OurWorldInData

Produzido pela OurWorldInData (Nosso Mundo em Dados) um site sem fins lucrativos financiado pela Fundação Gates e liderado pelo economista Max Roser que destaca tendências de longo prazo nos padrões de vida humanos — o gráfico mostra a taxa de pobreza extrema, medida como a parcela da humanidade vivendo com $ 1,90 por dia ou menos, despencando de 94,4% em 1820 para 9,6% até 2015. Como Roser é rápido em notar, não é “o seu” gráfico — seu gráfico é semelhante aos que muitos economistas que trabalham com a pobreza produziram, como o do livro de Martin Ravallion, The Economics of Poverty, de Georgetown.

O gráfico conta uma história de progresso global em massa, uma história que eu promovi nos meus textos também.

Mas depois que Bill Gates tuitou esse gráfico e outros da OurWorldInData …

Este é um dos meus infográficos favoritos. Muitas pessoas subestimam o quanto a vida melhorou nos últimos dois séculos: https://t.co/djavT7MaW9 pic.twitter.com/kuII7j4AuW

– Bill Gates (@BillGates) 19 de janeiro de 2019

… O antropólogo Jason Hickel levantou-se para dizer: Não tão rápido. Em um artigo do Guardian intitulado “Bill Gates diz que a pobreza está diminuindo.Ele não poderia estar mais errado ”, Hickel levanta várias objeções ao quadro:

1. A linha de US$ 1,90 por dia é “obscenamente baixa” e “ganhar US$ 2 por dia não significa que você está de repente livre da pobreza extrema”. Um mínimo de US$ 7,40 por dia, pelo menos, é necessário para “a nutrição básica e a expectativa normal de vida humana”.

2. Usar a porcentagem de pessoas em situação de pobreza é enganoso, e devemos nos concentrar no número absoluto de pessoas na pobreza, que, de acordo com a linha preferida de US $ 7,40 por dia de Hickel, aumentou desde 1981.

3. Todos os números anteriores a 1981, quando o Banco Mundial começou a coletar dados detalhados de pesquisa sobre a pobreza, são ilegítimos: “Qualquer coisa antes disso é extremamente superficial, e voltar até 1820 não faz sentido. Roser baseia-se em um conjunto de dados que nunca teve a intenção de descrever a pobreza, mas sim a desigualdade na distribuição do PIB mundial — e isso apenas para uma faixa limitada de países”.

4. O gráfico apaga o pedágio do colonialismo, particularmente no período de 1820 a 1981. “O mundo passou de uma situação em que a maioria da humanidade não tinha necessidade de dinheiro para uma situação onde, hoje, a maioria da humanidade luta para sobreviver com quantias extremamente pequenas de dinheiro”, escreve Hickel. “O gráfico mostra isso como um declínio na pobreza, mas na realidade o que estava acontecendo era um processo de desapropriação que intimidava as pessoas para o sistema de trabalho capitalista, durante os movimentos de fechamento na Europa e a colonização do sul global.”

5. Relacionado ao ponto 4, não está claro que ir de uma sociedade pré-monetária para uma sociedade monetária — mesmo que essa sociedade monetária esteja reduzindo a pobreza monetária a uma taxa rápida — representa uma melhoria nos padrões de vida, especialmente quando essa transição aconteceu em grande parte devido à violência e coerção por parte das potências ocidentais.

6. “Praticamente toda” a redução da pobreza extrema ocorreu na China, que contou com o apoio do Estado à indústria e às exportações. “Portanto, é pouco sincero que Gates e Steven Pinker reivindiquem esses ganhos como vitórias para o consenso neoliberal de Washington”, escreve Hickel.

Seguiu-se um amplo debate, com o psicólogo de Harvard (e crente em uma narrativa de progresso global) Pinker respondendo a Hickel , Hickel respondendo , Joe Hasell e Roser do OurWorldInData defendendo sua metodologia, Hickel redobrando sua crítica , e Branko Milanovic , um economista da CUNY e, possivelmente, o decano de estudos de desigualdade globais, também entrando na conversa.

Mas ao longo do debate, as posições dos dois lados pareceram, ao menos para mim, convergir substancialmente. Todos concordam que, desde 1981, os rendimentos das pessoas mais pobres do mundo aumentaram — até mesmo Hickel negou sua manchete do The Guardian , dizendo que isso foi imposto a ele pelos editores. Todos concordam que as rendas para os pobres não aumentaram o suficiente, e que US$ 1,90 por dia dificilmente é suficiente para um ser humano viver uma vida decente.

As grandes diferenças, então, estão em como fatiar e interpretar esses fatos e a quais interesses políticos e narrativas eles servem. Hickel argumenta que o foco nos dados que mostram declínios na pobreza global faz um trabalho político em prol do capitalismo global, defendendo um sistema global intrinsecamente injusto que fracassou tanto para os residentes de países ricos como pobres. Pinker concorda que os dados apoiam a ideia de que o capitalismo está trabalhando para os mais pobres do mundo, e diz que constituem uma refutação decisiva à narrativa de Hickel sobre “a opressão sem fim” (enduring persecution).

Roser, como enfatizou repetidamente em mensagens que me enviou, só quer ser claro sobre o que os fatos dizem — e o que eles dizem definitivamente é que as condições de vida na atual ordem mundial têm melhorado por décadas e décadas. Com base na minha leitura das evidências isso é certamente verdade.

Vamos começar com as coisas que todos concordam sobre

Este debate pode ficar incrivelmente disputado por isso foi muito útil no ano passado que Hickel e Charles Kenny — cujo livro Getting Better faz um convincente argumento de que o mundo está… melhorando — coloquem juntos uma lista de 12 afirmações sobre as quais ambos podem concordar.

Entre elas (e estou citando elas diretamente aqui, pois tenho certeza de que isso demandou uma negociação considerável para que nisso chegassem):

  • “A linha de US$ 1,90 / dia (PPP 2011) não é um nível adequado ou satisfatório de consumo; é explicitamente uma medida extrema. Alguns analistas sugerem que cerca de US$ 7,40/dia é o mínimo necessário para alcançar uma boa nutrição e expectativa de vida normal, enquanto outros propõem que usemos a linha de pobreza dos EUA, que é de US$ 15 ”.
  • “A proporção de pessoas que vivem abaixo de US$ 1,90 por dia diminuiu significativamente, mas a pobreza medida por US$ 7,40/dia diminuiu mais lentamente, de 70,8% em 1981 para 58,1% em 2013”.
  • “O consumo médio de pessoas abaixo das linhas de pobreza de US$ 1,90 e US$ 7,40 e acima dessas linhas aumentou. O ‘fosso da pobreza’ (a distância média abaixo da linha da pobreza) tem diminuído”.
  • “Renda e consumo não nos contam toda a história sobre a pobreza. A pobreza é multidimensional e alguns aspectos do bem-estar humano podem ser distorcidos pelos números relativos ao consumo.”
  • “A atual taxa de redução da pobreza é muito lenta para acabar com a pobreza de US$ 1,90/dia até 2030, ou para acabar com a pobreza de US$ 7,40/dia durante nossas vidas. Para atingir esse objetivo, precisaríamos mudar a atual política econômica de modo a torná-la mais justa para a maioria das pessoas do mundo”.

Ou seja, a parcela da humanidade em extrema pobreza — medida em US $ 1,90 por dia ou US $ 7,40 — está caindo. Pessoas abaixo de qualquer linha também estão se saindo melhor em termos de pobreza; elas têm mais dinheiro, estão gastando mais, etc. Mas há mais na vida do que apenas a taxa mensurável de consumo, acabar com a pobreza de US$ 7,40 por dia levará ainda muitas décadas, e há muito mais que poderíamos fazer para acelerar esse processo.

Embora não esteja incluído no documento consensual de Hickel-Kenny, gostaria de observar que Hickel concorda com Gates, Pinker, Roser, etc. que alguns padrões de vida materiais além da pobreza e do consumo melhoraram nas últimas décadas. De acordo com os números da Divisão de População da ONU (compilada pelo OurWorldInData, naturalmente), a expectativa de vida na China subiu de apenas 43 anos em 1950 para 76 em 2015 (em um fato conveniente a ninguém exceto ao político maoísta Bob Avakian , a expectativa de vida cresceu mesmo enquanto Mao estava matando dezenas de milhões de pessoas). A expectativa de vida na Índia cresceu de 35 para 68 no mesmo período; na República Democrática do Congo, cresceu de 38 para 59. Da mesma forma, as taxas de alfabetização e anos de escolaridade aumentaram.

“Sim, claro que concordo que a expectativa de vida aumentou e a mortalidade infantil diminuiu”, escreveu Hickel em um e-mail para mim. “Esses dados não são controversos, embora eu me diferencie de Gates e Pinker em minha avaliação das causas dessas melhorias … Quanto aos gráficos sobre alfabetização e anos de escolaridade: os dados são precisos, mas acredito que são indicadores muito limitados da educação e que uma visão mais ampla e holística revela uma história bem mais complicada.”

Em sua carta a Pinker, Hickel também concorda que a expectativa de vida e a educação tiveram ganhos. “Em seu trabalho, você invocou ganhos na expectativa de vida e na educação como parte de uma narrativa que busca justificar a globalização neoliberal”, escreve Hickel. “Mas … isso é intelectualmente desonesto. O que mais contribui para os ganhos na expectativa de vida são, na verdade, simples intervenções de saúde pública (saneamento, antibióticos, vacinas), e o que importa para a educação é, bem, a educação pública.”

Portanto, embora haja obviamente uma discordância veemente sobre a narrativa política que os fatos sobre expectativa de vida e educação apoiam, todos parecem concordar que o mundo fez grandes progressos em ambos.

E é aqui que a concordância entre as partes para.

Linhas de pobreza e números absolutos

Vamos começar com a crítica de Hickel ao gráfico de Roser. Ele se baseia em dados de pesquisas do Banco Mundial que o próprio Hickel admite serem basicamente confiáveis, com algumas divergências sobre ajustes de poder de compra à parte. Hickel insiste que a linha de pobreza de US$ 1,90 por dia é inaceitavelmente baixa e que devemos nos concentrar em números absolutos — quantas pessoas no total estão vivendo na pobreza — bem como a parcela de pessoas em extrema pobreza.

Hickel sustenta firmemente que devemos demandar uma linha de pobreza mais alta. Muitos economistas do desenvolvimento acreditam que uma linha maior seria mais útil, talvez muito maior — Kenny e o economista Lant Pritchett argumentaram em vários lugares por uma linha de US$ 10 a US$ 15 por dia, muito mais próxima da linha de pobreza dos EUA (cerca de US$ 17,60 por pessoa por dia para uma família de quatro pessoas). Kenny está claro que ele não acha que essa ideia tem o apoio do “consenso acadêmico” que Hickel afirma ter, mas ninguém argumenta que US$ 1,90 por dia por pessoa é suficiente para uma vida decente. Atualização: De fato, o próprio Roser concorda, escrevendo em uma DM do Twitter, “Eu também concordo muito que linhas de pobreza mais altas são importantes de se usar. (Eu até escrevi um artigo no ano passado sugerindo uma linha maior).

Nós podemos e devemos almejar mais.

O problema surge quando Hickel afirma que aumentar a linha de pobreza muda drasticamente nossa imagem do que está acontecendo. É verdade que a proporção de pessoas que vivem com menos de US$ 7,40 por dia caiu menos que a proporção de pessoas que vivem com menos de US$ 1,90 por dia — mas o que isso nos diz, principalmente, é que havia um grande grupo de pessoas escandalosamente pobres sobrevivendo, digamos, com 50 centavos por dia, e que nas últimas décadas subiram de vida para ganhar, digamos, US$ 2,50 por dia.

Isso não é bom o bastante em qualquer cenário imaginável e essas pessoas merecem mais ajuda. Mas ainda assim isso constitui um progresso real o qual uma linha de pobreza mais alta excluiria deliberadamente — assim como uma linha de pobreza mais baixa exclui pessoas que vão de US$ 2,50 por dia a US$ 4,50 por dia, que também veem uma melhora dramática em sua qualidade de vida.

O importante não é tanto a linha como a distribuição: as pessoas mais pobres do mundo estão ganhando mais dinheiro, em geral? E a resposta para esta último questão é sim, elas estão, como o próprio Hickel admite.

Este gráfico de um artigo de 2013 escrito por Shaohua Chen, o estatístico líder do Banco Mundial na área de desenvolvimento, e Martin Ravallion, requer algumas explicações, mas ilustra bem o ponto:

Chen e Ravallion 2013

(Obrigado a Ryan Briggs pela imagem).

O eixo x representa diferentes limiares de pobreza hipotética: US $ 1,90 por dia, US $ 7,40 por dia, até US$ 13 por dia que é aproximadamente a linha de pobreza nos EUA para uma família de quatro pessoas. Então, o eixo y diz qual porcentagem da humanidade vive abaixo da linha de pobreza em um determinado ano. A linha azul mostra a distribuição para 1981, a linha preta para 2008; vamos apenas comparar os dois para manter as coisas simples.

Obviamente, uma linha de pobreza de $ 0 não tem ninguém vivendo sob ela. E uma linha de pobreza de US$ 1 bilhão por dia teria todos vivendo sob ela. Mas o que este gráfico mostra é que, para cada linha de pobreza entre US $ 0 e US $ 13 por dia, e potencialmente acima disso, a pobreza era menor em 2008 do que em 1981. Isso não seria verdade se você comparasse 1999 a 1981; Todo o progresso entre esses anos foi muito baixo, então a pobreza de US$ 6 ou US$ 7 por dia não foi reduzida. Mas reduzimos a pobreza de 1981 a 2008 usando basicamente qualquer linha que você deseje usar.

Isso não responde à questão de qual linha os comunicadores científicos devem usar. Não estou tão indignado quanto Hickel por usar a linha de US$ 1,90 por dia, pois acho que isso mostra parte de uma história mais ampla que vale para qualquer linha de pobreza que você escolher. Mas eu pessoalmente ficaria feliz em mudar para US$ 7,40 por dia, o que mostraria algo muito semelhante acontecendo.

Em números absolutos, temo que Hickel tenha um caso mais fraco. Hickel gosta de observar que, enquanto a proporção de pessoas que vivem com menos de US$ 7,40 por dia diminuiu de 1981 até o presente, o número de pessoas que vivem abaixo dela aumentou.

“Se o objetivo é acabar coma pobreza, o que importa são os números absolutos”, escreve ele. “Certamente isso é o que importa do ponto de vista das próprias pessoas mais pobres”.

Essa é a mesma razão pela qual figuras como Bill Gates, inimigo juramentado de Hickel, se preocupam com o crescimento populacional em países pobres . Mas acho que Gates está errado sobre isso e que Hickel também está. Outra maneira de dizer “a taxa de pobreza caiu enquanto o número absoluto de pessoas pobres aumentou” é que muitos países de renda média, com muitas pessoas vivendo entre US$ 1,90 por dia e US$ 7,40 por dia, viram suas populações crescerem. Há mais indianos agora, mais indonésios, mais nigerianos, mais quenianos.

Isso não é uma coisa ruim. Usar números absolutos pode confundir a redução da pobreza com a prevenção de que pessoas pobres venham a existir. Esta leitura seria é um objetivo muito mais estranho e francamente mais perturbador. A história dos países ocidentais tentando intervir no crescimento populacional no mundo em desenvolvimento é extraordinariamente feia, cheia de esterilizações forçadas e outros abusos dos direitos humanos. Parte da razão pela qual as populações aumentaram, é devido à melhorias profundas na saúde e no fornecimento de alimentos, como a Revolução Verde, erradicação da varíola, mosquiteiros da malária, etc. O sucesso dessas políticas realmente evidencia que a pobreza aumentou?

Mais conceitualmente, não faz sentido interpretar a escolha de uma mulher pobre na Índia em ter outra criança como “aumento da pobreza”. O que a maioria das pessoas no campo do desenvolvimento quer garantir é que as pessoas que existem, seja lá quantas delas vierem a existir, vivam da melhor maneira possível. Usar porcentagens é uma abordagem melhor para a questão, embora mesmo as porcentagens possam ser afetadas pelos efeitos do crescimento populacional se a fertilidade nos países pobres ultrapassar dramaticamente a fertilidade nos países ricos.

Quando falei com Hickel sobre essa questão, ele retrucou, argumentando que, em um mundo rico, deveríamos supor que qualquer indivíduo nascido na pobreza constitui um fracasso político. “Em países ricos como o Reino Unido ou os EUA, nunca diríamos que uma taxa de pobreza crescente tem a ver com a reprodução”, escreveu ele em um e-mail. “Não, argumentaríamos que isso tem a ver com o salário mínimo ser muito baixo, ou direitos trabalhistas fracos, ou as hipotecas subprime, ou preços inflacionados de imóveis, ou o que quer que seja. Identificamos causas sistêmicas, porque sabemos que a pobreza em meio à abundância não é natural, é criada. Então, por que quando se trata do Sul global, imaginamos o contrário?”.

Isso me parece um pouco como uma tentativa de se esquivar da pergunta. Usamos taxas de pobreza, não números absolutos, nas discussões sobre a pobreza dos EUA também. Mas, de certa forma, a resposta de Hickel reflete o ponto crucial da disputa entre ele e Roser. Roser — como a maioria dos historiadores econômicos — não vê a pobreza como criada, mas como o estado original da humanidade desde seu início até a Revolução Industrial . É uma falha política, na medida em que finalmente temos as ferramentas para acabar com isso agora e ainda não o fizemos, mas o que estamos tentando fazer é escapar das condições naturais e brutais que perseguem a humanidade desde sempre. Hickel vê as coisas de maneira diferente.

O debate dos dados históricos

Isso nos leva à segunda grande disputa: deveríamos confiar nos dados antes de 1981 sobre a pobreza global?

Hickel e Kenny puderam concordar com os números acima porque estão confiando apenas nos dados da pesquisa do Banco Mundial, que começaram em 1981. Mas o mapa da OurWorldInData, que desencadeou todo esse debate, não se baseia apenas nos dados do Banco Mundial, mas em um conjunto de dados históricos que remonta a 1820, compilado pelos economistas François Bourguignon e Christian Morrisson; foi publicado em um artigo de 2002 da American Economic Review intitulado “Desigualdade entre os Cidadãos do Mundo: 1820–1992”.

Os números de Bourguignon e Morrisson, por sua vez, baseiam-se no trabalho de Angus Maddison , o falecido historiador econômico britânico que, juntamente com seus parceiros de pesquisa e estudantes, passou décadas montando um banco de dados maciço de produto interno bruto e PIB per capita estimado desde o ano 1 dC ; esses números ainda estão sendo mantidos por outros pesquisadores após sua morte. O primeiro banco de dados Maddison com dados relativos a 1820 estreou em 1995 .

É extremamente difícil gerar esses tipos de estimativas. Em 1820, os governos nacionais não estavam produzindo os dados econômicos que fazem hoje, e não tinham impostos de renda e impostos corporativos que lhes forneceriam os dados para fazer tal estimativa de maneira direta. Nem os números do PIB de Maddison nem as extrapolações da taxa de pobreza de Bourguignon e Morrisson são tão confiáveis quanto os dados do Banco Mundial.

O que Hickel está argumentando é que um gráfico que combina dados do Banco Mundial com os dados de Bourguignon e Morrisson para construir uma narrativa mais estendida estaria se baseando em dados tão fracos a ponto de serem inúteis, e confundindo números reais com estimativas aproximadas.

Hasell e Roser, do OurWorldinData, argumentam que os números de Bourguignon e Morrisson ainda são úteis e merecem ser incluídos. “Eu concordo muito que temos que entender as limitações desses dados”, disse Roser em uma mensagem no Twitter. “É por isso que não estou apenas fazendo gráficos, mas trabalhei por 10 anos para escrever uma publicação que explica o que está por trás disso. Tal como com qualquer pesquisa, é claro que não pode ser reduzido a um único número, gráfico único ou uma simples citação”.

Hasell e Roser oferecem o exemplo de como as estimativas históricas do PIB da Grã-Bretanha foram construídas. Os pesquisadores Stephen Broadberry, Bruce MS Campbell, Alexander Klein, Mark Overton e Bas van Leeuwen , por exemplo, chegaram as suas estimativa passando por dezenas de etapas que envolviam dados sobre criação de gados e plantações individuais para desse modo tentar se aproximar dos números reais do que era a economia inglesa na década de 1850.

Hickel rebate que a riqueza dos dados sobre a Inglaterra contrasta com a escassez de dados em grande parte da China e da Ásia. “Para a Ásia e a América Latina, os dados de antes de 1900 existem para apenas três países cada”, escreve ele. “Para a África não há dados antes de 1900, e os dados para antes de 1950 existem apenas para três países.”

Roser diz que esse argumento é apenas um subterfugio. Sabemos que a maior parte da África estava em extrema pobreza naquela época por outras fontes, diz ele. “Para a África, não temos muitas reconstruções”, escreveu ele em uma mensagem. “Mas nós temos algumas, e estas não sugerem que as pessoas na África eram muito mais ricas do que os europeus na época. … Mas você também pode perguntar quanto a incerteza para a África pode possivelmente importar para nossas estimativas de pobreza global. A população da África era de 8% da população mundial. Mesmo que todos os africanos da época fossem bilionários, isso significaria que a taxa de pobreza global seria no máximo 8% menor”.

Em última análise, essa parte do debate é sobre o que fazer com dados incompletos. É aceitável usar um conjunto de números falhos e globalmente não-representativos, como Bourguignon e Morrisson, para ilustrar o declínio a longo prazo da extrema pobreza? Ou isso seria inaceitavelmente enganador?

Hickel argumenta com veemência que Roser e OurWorldinData precisam abandonar o gráfico que volta até 1820, ou pelo menos acrescentar ressalvas sobre as diferentes fontes de dados. Roser argumenta que a história que o gráfico conta é precisa, que sabemos que é precisa devido a várias fontes fora dos dados de Maddison e Bourguignon e Morrisson, e que Hickel está tentando turvar as águas.

“O que é realmente frustrante sobre isso é que [Hickel] dá publicamente a impressão de que realmente não sabemos do que estamos falando, o que, dado tudo o que eu disse … e historiadores econômicos disseram em centenas de grandes publicações de pesquisa, não é verdade”, ele escreveu para mim. “Isso não é justo para nós, eu sinto, não é justo sobretudo para a pesquisa que está sendo produzida, apenas realmente desinforma os leitores. O artigo do Guardian que diz “está tudo errado” vai “colar”.

Como lidamos com o colonialismo?

A visão mais ampla proposta por Hickel é que o século XIX viu na verdade um processo de desapropriação forçada por parte das nações colonizadoras, o que transformou um período de riqueza e conforto para povos nativos conquistados em um período de capitalismo voraz. Em vez da constante marcha do progresso que, no entendimento de Hickel, gráficos como os de Roser parecem retratar, o que aconteceu foi na verdade uma profunda violência e deslocamento que dificilmente podem ser chamados de “saída da pobreza”. Claro, um cidadão zulu antes da conquista britânica poderia não ter muito dinheiro e mãos, mas ela tinha uma qualidade de vida muito melhor do que aquela que os imperialistas lhe ofereceram, argumenta Hickel.

Basicamente, ninguém neste debate discorda que o colonialismo foi um processo horrível, moralmente indefensável. “É claro que eu concordo que o colonialismo foi uma das instituições mais terríveis que o mundo já viu”, comentou Roser para mim via Twitter. “Não por si somente, mas também por causa do impacto terrível que o colonialismo teve no desenvolvimento até os dias de hoje, como sabemos dos estudos de historiadores econômicos que confiam nos dados que produziram”.

A discordância factual, então, é mais sobre se as sociedades pré-coloniais podem ser significativamente consideradas “na pobreza” quando a pobreza monetária não era realmente um conceito relevante.

Roser insiste que podemos. “Sabemos sobre a pobreza no passado não apenas das reconstruções de medidas de consumo ou renda, mas também a partir de condições de vida mais amplas (saúde, mortalidade, evidências tecnológicas, agricultura, consumo de alimentos, moradia etc.)” ele escreveu para mim. “Não há evidências de que a África ou qualquer outro lugar era significativamente mais rica que o Reino Unido”.

Mas Hickel discorda dessa representação das sociedades pré-coloniais como “pobres”. Em seu livro The Divide , ele argumenta que as sociedades agrícolas pré-coloniais na África e na Índia estavam “bastante contentes” com um “estilo de vida de subsistência”. Na África, por exemplo, ele escreve que “a maioria das pessoas tinham acesso à terra para pastagem de gado e cultivo de alimentos para suas famílias. Elas não viam porque deveriam deixar suas casas para trabalharem de modo extenuante em plantações e minas”. Da mesma forma, antes de os britânicos forçarem um novo sistema agrícola, Hickel escreveu que os agricultores indianos tinham cultivos de “subsistência” e ficaram muito pior quando as autoridades coloniais britânicas lhes impunham um novo sistema.

Mais uma vez, não há como contestar que o colonialismo tornou as condições piores. Mas isso não significa que as condições de vida pré-coloniais fossem boas. A revolução agrícola, que se instalou na África, na Índia, nas Américas e na Europa, reduziu a segurança alimentar e aumentou a necessidade material, segundo muitos antropólogos. Até que a Revolução Industrial possibilitasse um crescimento econômico real e sustentado, a maioria da humanidade estava presa em uma armadilha malthusiana , onde o crescimento econômico e a redução da pobreza só levaram a um aumento populacional que não podia ser sustentado, levando à fome. E, novamente, a expectativa de vida era muito menor e a alfabetização muito menos comum.

Se Hickel argumenta que US$ 1,90 por dia é muito baixo para se estabelecer a linha da pobreza, eu poderia dizer que uma definição de pobreza que não inclui as condições malthusianas antes da industrialização é inadequada também. As condições não eram das melhores — mesmo que todos admitam que a Europa passou um século ou mais fazendo o que fosse possível para tornar a vida de suas vítimas ainda pior.

pobreza global ourworldindata
OurWorldInData

E, com certeza, se você olhar novamente para o gráfico que abre este post, verá que a pobreza extrema caiu em quantias muito, muito pequenas, antes de 1950, ganhos que estavam concentrados em países europeus ricos que extraíam recursos do Sul do planeta.

Isso é coerente com o relato de Roser: toda a humanidade era pobre, impedida de sair da simples subsistência, até a industrialização; a colonização impediu que a massa da humanidade se beneficiasse do crescimento econômico que a industrialização possibilitou na Europa e na América do Norte e piorou substancialmente as condições para suas vítimas; mas o crescimento global a partir de 1950 levou a uma redução maciça da pobreza.

Os interesses políticos

“Uma coisa que me frustra muito é que me atribuem posicionamentos que eu não tenho”, Roser escreveu para mim. OurWorldInData não mostra apenas desenvolvimentos positivos; mostra também como a desigualdade aumentou dentro das nações e como a mudança climática se acelerou, entre outras tendências negativas. Roser concorda que não estamos nos movendo rápido o suficiente para acabar com a pobreza. Ele não se opõe aos programas governamentais de saúde e educação — na verdade, ele divulga evidências sobre o quão bem eles funcionam!

Mas Hickel e Pinker também não estão interessados apenas nas detalhadas disputas acima mencionadas. Eles estão lutando sobre uma narrativa. Hickel vê Pinker e Gates como defensores de uma ordem mundial capitalista neoliberal, na qual os países são instados a desinvestir de importantes programas que constituem suas “redes de segurança” (safety-nets) e a adotarem políticas desregulatórias que possam devastar seus cidadãos. Pior, citando dados que remontam a 1820, ele os vê como encobrindo a violência do colonialismo, fazendo da história recente do mundo uma narrativa de progresso ininterrupto.

Pinker, por sua vez, descreveu Hickel como “um ideólogo marxista habilitado pelo The Guardian”, acrescentando: “A agenda política de Hickel e outros esquerdistas é óbvia: é humilhante para sua visão de mundo que os dados mostrem melhorias maciças graças aos mercados e a globalização e não ao invés da derrubada do capitalismo e uma redistribuição global”. Para o que Hickel, claro, responde que os maiores ganhos foram vistos na China, dificilmente um modelo de sociedade capitalista pura.

A percepção de tais interesses políticos são a principal razão pela qual essa luta ficou tão acalorada. Mas, se nos limitarmos aos números reais com os quais as pessoas do debate concordam, há menos desacordo do que se poderia imaginar. Quase todos concordam que a expectativa de vida está mais alta, a educação é mais comum, e as taxas de pobreza caíram nas últimas três ou quatro décadas, independentemente de onde que você estabeleça a linha da pobreza. E quase todo mundo concorda que temos muito mais por vir.

Eu acho que o fato básico de que fizemos progresso nas últimas décadas é importante. A política e a economia global são lugares sombrios, especialmente se você apenas os vê pelas lentes da cobertura noticiosa. É fácil se tornar fatalista. O que eu tomo do progresso contra a privação extrema e a pobreza não é um senso de que a missão esteja cumprida, ou que Friedrich Hayek nunca esteve errado, mas uma sensação de que as coisas podem melhorar, e que portanto tentar melhorá-las ainda mais não é uma tentativa vã. Espero que Hickel, Roser e Pinker possam ao menos concordar com isso.

Por Dylan Matthews @dylanmatt 12 de fevereiro de 2019, 09:00

Tradução: Fernando Moreno

Publicado Originalmente na Vox: https://www.vox.com/future-perfect/2019/2/12/18215534/bill-gates-global-poverty-chart

Deixe um comentário

Seu email não será publicado