Bois, Frangos e uma tentativa de objetivamente mensurar seu sofrimento

Neste artigo que escrevemos em 2018, algumas pessoas levantaram questionamentos sobre o impacto ambiental de se trocar o consumo de frangos pelo de bois.
Argumentamos que, ainda que o aquecimento global seja questão de extrema importância, devemos pesar outros dois pontos:
  • Há um risco muito maior de surgimento de novas doenças na produção de frangos, vide as diversas gripes aviárias. A relevância deste ponto está agora óbvia com a questão do coronavírus.
  • Há muito mais sofrimento envolvido na criação de frangos. O texto abaixo explica melhor esse ponto:

“De todos os animais criados para alimentação, os frangos de corte, as galinhas chocadeiras e os porcos são mantidos nas piores condições por uma margem considerável. As únicas estimativas quantitativas de bem-estar dos animais de criação que consegui encontrar vêm de Bailey Norwood, economista e especialista em agricultura. Ele avaliou o bem-estar de diferentes animais em uma escala de –10 a 10, onde números negativos indicam que seria melhor, do ponto de vista do animal, estar morto do que vivo. Ele classifica bovinos de corte em 6 e vacas leiteiras em 4. Em contraste, sua classificação média para frangos de corte é –1, e para porcos e galinhas em gaiolas é –5. Em outras palavras, as vacas criadas para a alimentação têm uma vida melhor do que galinhas, galinhas ou porcos, que sofrem terrivelmente. (Esses números são para animais criados nos EUA; o bem-estar animal no Reino Unido e na UE, embora menos bem documentado, é geralmente considerado melhor do que nos EUA, mas ainda é verdade que galinhas e porcos sofrem muito mais do que gado.)

A segunda consideração é o número de animais necessários para fazer uma refeição. Em um ano, o americano médio consumirá o seguinte: 28,5 frangos, 0,8 galinhas chocadeiras, 0,8 perus, 0,37 suínos, 0,1 vacas de corte e 0,007 vacas leiteiras; no Reino Unido, as pessoas comem menos carne em média, mas, como os americanos, consomem muito mais galinhas de corte e chocadeiras que vacas. Esses números podem sugerir que cortar o frango tem um impacto muito maior do que qualquer outra mudança na dieta. No entanto, a maioria dos frangos de corte vive apenas seis semanas, de modo que se nos preocupamos com quanto tempo o animal passa em condições desagradáveis em fazendas industriais, é mais apropriado pensar em anos animais do que em vidas animais. Em um ano, o número de anos animais que entram na dieta média dos americanos é o seguinte: 3.3 de frangos de corte (28.5 frangos consumidos, cada um deles vive seis semanas = 3.3 anos de animal), 1 de poedeiras, 0.3 de perus 0,2 de porcos, 0,1 de vacas de corte e 0,03 de vacas leiteiras. Combinando essas duas considerações, chegamos à conclusão de que a maneira mais eficaz de eliminar o sofrimento animal de sua dieta é parar de comer frango, depois ovos e depois carne de porco: ao fazê-lo, você está tirando o pior sofrimento para a maioria dos animais pelo maior tempo.

Isso pode ter implicações para os defensores do bem-estar animal, que muitas vezes divulgam os benefícios ambientais do vegetarianismo (que já discutimos) e benefícios à saúde, apontando para pesquisas que aqueles que não comem carne têm risco reduzido de doenças cardiovasculares. Esses defensores costumam argumentar pela eliminação da carne bovina de sua dieta, já que a criação de gado produz muitas emissões de “CO2 equivalente” e a carne vermelha está ligada a problemas de saúde, como doenças cardíacas. No entanto, se as pessoas ouvirem os argumentos ambientais ou de saúde e então diminuírem o consumo de carne bovina, mas compensarem um pouco mais comendo frango, esses defensores do bem-estar animal podem ter causado mais sofrimento aos animais em geral.”

Fonte: MacAskill, William. Doing Good Better: Effective Altruism and a Radical New Way to Make a Difference (p. 141–143). Guardian Faber Publishing.

Tradução: Fernando Moreno

Deixe um comentário

Seu email não será publicado