Ganhar para doar pode levar a mudanças sistêmicas

AMF
Uma das críticas mais comuns de “ganhar para doar” e a defesa de doações para a caridade em geral é que ele apenas melhora as coisas marginalmente e não aborda os problemas “sistêmicos”, “estruturais”, a “causa raiz” das questões que realmente importam.

Uma resposta a isso que demos no passado é: sim, é verdade, mas doar ainda é uma boa coisa a fazer.

Outra resposta que já demos antes é que, se a mudança sistêmica é a causa mais importante, doe para organizações que trabalham com mudanças sistêmicas. Isso funciona desde que você não esteja em um trabalho que impeça muito a mudança sistêmica (por exemplo, político conservador, fura-greves profissional) e você não acredita que o ato de filantropia em si impede a mudança sistêmica (mesmo que doando para organizações de mudança sistêmica). Se você acha que tudo isso parece completamente implausível, considere o exemplo de Engels que trabalhou como gerente de fábrica para financiar a pesquisa de Marx.

Karl Marx e Friedrich Engels

Uma resposta que não demos antes, entretanto, é apenas argumentar que não, promover “ganhar para doar” é uma forma importante de mudança sistêmica: imagine como o mundo seria diferente se quase todos doassem regularmente 10% ou mais de sua renda para qualquer causa que eles achassem ter o maior impacto. Não iria consertar tudo, mas tornaria muitas coisas possíveis.

Em um post recente, Scott Alexander ressalta que, se todos dessem 10% de sua renda, seriam US$ 7 trilhões a cada ano!

Jeffrey Sachs estimou que seriam necessários cerca de US$ 130 bilhões por ano de ajuda adicional para acabar com a extrema pobreza global. De fato, essa é aproximadamente a quantia necessária para simplesmente elevar todos acima da linha de pobreza de US $ 1,25 por dia, transferindo dinheiro para eles, tal como feito pela Give Directly. Eliminar a extrema pobreza global e dar a cerca de um bilhão de pessoas a chance de se educar e levar uma vida saudável e produtiva seria uma das maiores conquistas da humanidade e constituiria um tipo de “mudança sistêmica”.

E isso seria apenas 2% de US$ 7 trilhões que estariam disponíveis se todos doassem 10%. Então acabar com a pobreza global seria só o começo da história.

Como Scott diz:

Se a filantropia ganhasse 7 trilhões de dólares por ano, o primeiro ano nos daria o suficiente para resolver a pobreza global, eliminar todas as doenças tratáveis, financiar as pesquisas sobre as doenças não-tratáveis ​​por aproximadamente todo o sempre, educar quem precisa ser educado, alimentar quem precisa ser alimentado, financiar um renascimento inigualável nas artes, salvar permanentemente todas as florestas tropicais do mundo e ter sobra suficiente para lançar cinco ou seis diferentes missões tripuladas a Marte. Esse seria o primeiro ano. Sabe deus o que aconteceria no 2º ano.

Artigo originalmente publicado em: https://80000hours.org/2014/12/earning-to-give-is-systemic-change em 30 de dezembro de 2014.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado