Apenas o começo — por Melinda Gates

Melinda Gates

Texto de Melinda Gates, retirado e do livro recém lançado “The Moment of Lift”. Tradução de Alysson Augusto.

Após a conferência, minha melhor amiga do ensino médio, Mary Lehman, que viajara comigo para Londres, juntou-se a mim para jantar com algumas mulheres influentes que também participaram da conferência. Estávamos todas tomando uma taça de vinho e desfrutando de uma sensação de satisfação, e fiquei pessoalmente aliviada por ter terminado. Após muitos meses de planejamento e preocupação, senti que finalmente poderia relaxar.

Foi quando todas essas mulheres me disseram: “Melinda, você não vê? O planejamento familiar é apenas o primeiro passo para as mulheres! Temos que passar para uma agenda muito maior!!”

Eu era a única na mesa ingênua o suficiente para ser surpreendida — e fiquei impressionada. Eu não queria ouvir isso. Conversando com Mary no carro depois do jantar, eu repetia várias vezes: “Mary, elas devem estar brincando”. Eu estava quase chorando e fiquei pensando: De jeito nenhum. Eu já estou fazendo a minha parte e é mais do que posso suportar, e já há muito trabalho pela frente no planejamento familiar apenas para cumprir as metas que acabamos de declarar — nunca pensei numa agenda de mulheres ainda mais ampla.

A chamada para “mais” foi especialmente difícil de ouvir depois de uma visita emocional que tive alguns dias antes no Senegal. Eu estava sentada em uma pequena cabana com um grupo de mulheres falando sobre corte genital feminino. Todas elas foram cortadas. Muitas mantiveram suas filhas abatidas. Enquanto me contavam, minha colega Molly Melching, que trabalhou no Senegal por décadas e atuou como tradutora naquele dia, disse: “Melinda, parte disso não vou traduzir para você porque não acho que você possa aguentar.” (Em algum momento eu tenho que convocar a coragem de perguntar o que ela estava escondendo.)

Aquelas mulheres me disseram que todas se voltaram contra a prática. Quando eram mais jovens, tinham medo de não ter suas filhas cortadas, as meninas nunca poderiam se casar. Quando suas filhas morreram de hemorragia, elas acreditaram que eram espíritos malignos. Mas elas passaram a ver essas opiniões como mentiras e proibiram o corte em sua aldeia.

Elas acreditavam que estavam me contando uma história de progresso, e estavam. Mas era preciso entender que tal sentido de progresso exigia uma compreensão de quão cruel e generalizada essa prática ainda era. Eles estavam me dizendo até onde haviam chegado, e também estavam me revelando como as coisas ainda eram horríveis para as meninas em seu país. A história foi horrível para mim — e eu simplesmente me “desliguei”. Eu via o esforço sem esperança e sem fim, além da minha resistência e recursos, e disse a mim mesma: “Eu desisto”.

Suspeito que a maioria de nós, em um momento ou outro, diga “eu desisto”. E frequentemente descobrimos que “desistir” é apenas um passo doloroso no caminho para um compromisso mais profundo. Mas eu ainda estava presa no meu “eu desisto” privado do Senegal quando as mulheres na mesa de Londres me disseram sobre o quanto mais precisava ser feito. Então eu disse meu segundo “eu desisto” a mim mesma no período de uma semana. Eu olhei para o abismo entre o que precisava ser feito e o que eu era capaz de fazer e apenas disse “Não!”

Embora eu tenha dito isso apenas para mim, eu quis dizer isso aos outros. Mais tarde, porém, quando comecei a abandonar minhas defesas, percebi que meu “Não!” era apenas um momento de rebelião antes da minha rendição. Eu tive que aceitar que as feridas daquelas meninas no Senegal e as necessidades das mulheres em todo o mundo estavam além de qualquer coisa que eu pudesse curar. Eu tive que aceitar que meu trabalho é fazer minha parte, deixar meu coração partir por todas as mulheres que não podemos ajudar e ficar otimista.

Com o tempo, cheguei ao “Sim” e isso me permitiu ver o que as mulheres de Londres estavam me dizendo. O planejamento familiar foi o primeiro passo, mas esse primeiro passo não foi apenas o acesso a contraceptivos; foi um passo em direção ao empoderamento. Planejamento familiar significa mais do que ter o direito de decidir se e quando ter filhos; é a chave para romper todos os tipos de barreiras que retêm as mulheres há tanto tempo.

Tradução: Fernando Moreno

Deixe um comentário

Seu email não será publicado